Lula afirma que derrotar Bolsonaro é 'uma questão de honra do povo'

Além disso, o candidato petista disse que irá revogar logo no início de um eventual governo, todos os sigilos que Bolsonaro impôs
| 08/07/2022
- 17:41
Lula afirma que derrotar Bolsonaro é 'uma questão de honra do povo'
Foto: reprodução

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou nesta quinta-feira (7) que derrotar o atual presidente Jair Bolsonaro (PL) nas eleições deste ano é uma “questão de honra do povo brasileiro”.

“Ele está desesperado. São milhares de enviadas para as pessoas todos os dias. É uma máquina poderosa de contar mentira. Derrotar esse cara (Bolsonaro) é uma questão de honra do povo brasileiro, dos que querem e verdade”, disse durante seu discurso.

Além disso, o candidato petista disse que irá revogar logo no início de um eventual governo, todos os sigilos que Bolsonaro impôs a informações de aliados acusados de cometer irregularidades, como o ex-ministro Eduardo Pazuello. “É ele e meia dúzia que o cercam e, quando tem denúncia de corrupção, ele diz que não tem e faz decreto de sigilo de 100 anos. Eu quero que vocês saibam que, se tem coisa que eu vou fazer, é quebrar esses sigilos de 100 anos no 1º decreto que eu fizer”, declarou.

Lula disse ainda duvidar que o Rio de Janeiro tenha recebido mais recursos de outros governos federais do que das suas gestões “Eu posso não ser melhor do que ninguém, mas melhor que essa coisa (Bolsonaro) que está aí, eu tenho certeza que eu sou”, disse.

Segundo a apuração do jornal Poder 360, o ex-presidente acusou Bolsonaro de não ter interlocução com empresários, sindicatos, professores e outras categorias. Ele também voltou a prometer que recriará o Ministério da Cultura e instalará comitês culturais em todo o país.

O local escolhido pelo PT para o ato, a Cinelândia, foi palco de protestos históricos contra a ditadura militar, a favor das Diretas Já, pela saída do ex-presidente Fernando Collor, dentre outras. Ainda hoje é local de manifestações.

*Com informações do site Poder 360

Veja também

Segundo a OMS, 42 países relataram crescimento no número semanal de casos

Últimas notícias