DF: Sem-teto espancado por personal trainer vai para abrigo: 'risco de violência'

Caso é investigado pela polícia
| 19/03/2022
- 19:07
DF: Sem-teto espancado por personal trainer vai para abrigo: 'risco de violência'
Reprodução

O morador de rua Givaldo Alves de Souza, 48 anos, está em um abrigo, após receber alta por ser espancado pelo personal trainer Eduardo Alves, 31, o espancou ao flagrá-lo tendo relações com sua esposa.

A Comissão de da Câmara Legislativa entrou em contato com o Governo do para pedir assistência jurídica e assistência psicossocial ao homem, que corre "risco de grave violência".

O caso segue sob sigilo e não foram passados mais detalhes das investigações à imprensa.

O caso

Uma câmera de segurança registrou o momento em que um personal espancou um homem em situação de rua. Isso ocorreu após ele flagrar a sua esposa tendo relações sexuais com o morador de rua no carro. O caso ocorreu na rua Jardim Roriz, em Planaltina, Distrito Federal.

O personal trainer relatou que a sua sogra e a esposa resolveram ajudar um homem em situação de rua. Depois de algumas horas, como a esposa não atendia ao telefone, o personal resolveu procurá-la. Quando passou perto da escola Centro de Ensino Fundamental Paroquial, ele avistou o veículo da esposa estacionado. Ao se aproximar, Eduardo flagrou ela tendo relações sexuais com o homem em situação de rua.

Supondo que se tratava de um estupro, o personal trainer espancou o homem. No entanto, em depoimento, a esposa do educador físico afirmou aos policiais que tinha interesse em ajudar pessoas vulneráveis por meio da igreja. No hospital, ela disse a um amigo que havia recebido uma “mensagem de Deus” para ajudar o homem com quem foi flagrada transando.

Esposa diz que enxergou Deus no sem-teto

Em áudios da esposa de Eduardo, que também circulam na internet, ela conta como manteve relações sexuais consensuais com o sem-teto. A mulher diz que enxergou Deus, e o próprio marido, no homem.

“Eu não conseguia nem falar e nem abrir meus olhos. Meu coração estava acelerado, mas eu não conseguia sentir ódio do homem que fez isso comigo porque eu só enxergava Deus nele. Eu só enxergava Deus. Não sei explicar”, diz a mulher em uma mensagem de áudio.

A mulher ainda contou que encontrou o sem-teto em frente a um quiosque, na Rodoviária de Planaltina, e que ele fumava um cigarro.

Veja também

Por maioria de 7 a 4, o plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu ontem...

Últimas notícias