Nesta quarta-feira (23), uma equipe de cientistas informou ter desenvolvido uma nova opção de controle de natalidade, o anticoncepcional masculino. O contraceptivo demonstrou ser 99% eficaz nos testes em camundongos, os testes em humanos poderão iniciar até o final do ano.

As descobertas foram apresentadas na reunião de primavera da American Chemical Society. Segundo os pesquisadores, os testes em humanos deverão se iniciar no terceiro ou quarto trimestre deste ano.

Diferente do anticoncepcional feminino, a pílula contraceptiva não é hormonal, porém os efeitos colaterais são semelhantes ao contraceptivo feminino: ganho de peso, depressão e aumento dos níveis de colesterol de lipoproteína de baixa densidade (LDL).

Como funciona no organismo?
Conforme a reportagem do site Catraca Livre, os pesquisadores visaram uma proteína chamada receptor alfa do ácido retinoico (RAR). Essa proteína faz parte de uma família de três receptores nucleares que se ligam ao ácido retinoico, uma forma de vitamina A que desempenha papéis importantes no crescimento celular, diferenciação — incluindo formação de espermatozoides — e desenvolvimento embrionário.

O que os pesquisadores fizeram foi desenvolver um composto que bloqueia a ação do RAR-alfa. A eliminação do gene RAR em camundongos machos os tornou estéreis, sem efeitos colaterais óbvios.

Os cientistas explicaram que administraram a pílula oralmente em camundongos por quatro semanas. E a partir disso, observaram a contagem de espermatozoides dos animais reduzirem drasticamente, evitando a gravidez.

Quando estará disponível?
Se os testes clínicos avançarem como o esperado, os pesquisadores acreditam que essa pílula poderá ser comercializada em até 5 anos. “Estou otimista de que avançaremos rapidamente”, disse a professora Gunda Georg, que acredita que seu medicamento poderá ser comercializado em até 5 anos.

Até o momento, apenas preservativos e vasectomia estão entre os métodos eficazes disponíveis para homens.

As mulheres confiarão nos homens?
Em pesquisas feitas em diversos sites e redes sociais, quando questionadas se confiariam nos homens em relação ao uso de pílulas, a maioria disse que sim, confiariam, mas, existe uma certa resistência em outras mulheres. O que você acha sobre o assunto?