Antes de ser nomeado: Decotelli deixa MEC após revelações de falsidades em currículo

O ministro da Educação, Carlos Decotelli, anunciou pedido de demissão nessa terça-feira (30), cinco dias após ser nomeado para o cargo pelo presidente Bolsonaro. Segundo informou a Folha, o agora ex-ministro disse que a demissão foi a maneira encontrada pelo governo para encerrar a crise criada com as falsidades no currículo divulgado por Decotelli, o […]
| 30/06/2020
- 19:29
Antes de ser nomeado: Decotelli deixa MEC após revelações de falsidades em currículo
Carlos Alberto Decotelli, Reprodução - Carlos Alberto Decotelli, Reprodução

O ministro da Educação, Carlos Decotelli, anunciou pedido de demissão nessa terça-feira (30), cinco dias após ser nomeado para o cargo pelo presidente Bolsonaro.

Segundo informou a Folha, o agora ex-ministro disse que a demissão foi a maneira encontrada pelo governo para encerrar a crise criada com as falsidades no currículo divulgado por Decotelli, o terceiro ministro da Educação da gestão Bolsonaro.

Para dirigir o MEC, o mais cotado, por ora, é Anderson Correia, atual reitor do ITA (Instituto Tecnológico de Aeronáutica). São cogitados também o secretário de Educação do Paraná, Renato Feder, o ex-assessor do Sérgio Sant’Ana e o conselheiro do CNE (Conselho Nacional de Educação) Antonio Freitas, que é pró-reitor na FGV e cujo nome aparecia como orientador do doutorado não realizado por Decotelli.

No currículo de Decotelli, constava um doutorado pela Nacional de Rosario, da . O reitor da instituição, Franco Bartolacci, negou que ele tenha obtido o título, informação antecipada pela coluna Mônica Bergamo. Há ainda sinais de plágio na sua dissertação de mestrado.

Veja também

Num esforço para costurar apoio ao projeto que fixa um teto de 17% para o...

Últimas notícias