Variedades

Manual dos Solteiros: A dor e a delícia de dividir casa com alguém

Coluna traz dicas para convivência dar certo

Guilherme Cavalcante Publicado em 03/09/2016, às 09h15

None
estudantes.jpg

Coluna traz dicas para convivência dar certo

Às vezes a pressa de sair da casa dos pais é tanta que a gente topa qualquer negócio, inclusive dividir um apartamento no centro com outros seis amigos. O que ninguém fala pra gente é que sempre tem um ou outro 'roomie' cujo estilo de vida destoa do seu. Em geral, é o desleixo, ou seja, saímos da casa dos pais desacostumados ou simplesmente inábeis de como manter uma cas alimpa e arrumada. Mas, às vezes é a simples convivência que pode comprometer a 'vibe' da casa.

Entretanto, dividir apartamento com alguém – seja um grupo de amigos ou um amigo em específico – pode não ser um problema, principalmente se as diferenças forem respeitadas e as coisas forem bem negociadas. Com maturidade e bom senso, os dissabores podem dar espaço aos prazeres de dividir a casa, tais como acordar no meio da noite e trombar com um amigo no corredor, trocar ideias maravilhosas, usufruir mutuamente da coleção de discos e livros do roomie, e descobrir, a cada dia, o que há em comum com quem está debaixo do mesmo teto que você.

Separamos algumas dicas para que esse momento a dois ou a mais seja o mais aprazível possível. Confira!

1. Combinado não sai caro

Estabeleça regras em comum, converse, negocie (Getty Images)

Antes de cobrar qualquer coisa do seu roomie, lembre-se de deixar explícito o que você espera da convivência, compartilhar medos, preferências, enfim: abrir o coração. É neste momento que as regras se definem e que se dá o primeiro passo rumo a uma boa convivência. Nunca espere que seu roomie adivinhe se você está insatisfeito com algo. para evitar discussões, construam mutuamente as regras.

2. Empatia

Se não for pra ser legal, porque dividir? (Getty Images)

Empatia é fundamental para que a convivência funcione, afinal, não tem nenhum empregado entre vocês, todos devem dividir tarefas. O exemplo mais simples: se seu amigo fez o almoço, lave as louças. O mais complexo: não basta dividir a casa, é preciso conviver e colocar-se no lugar do amigo. Se ele precisar de um abraço, de uma conversa, uma cerveja, entenda que isso pode evitar problemas. Respeite as necessidades alheias para ter as suas igualmente respeitadas.

3. Disciplina e organização

Não custa nada deixar cada coisa em seu lugar (ShutterStock)

Ninguém tem direito de te dizer como agir dentro do seu quarto, mas não faça com as áreas comuns a mesma coisas que você faz no seu infinito particular. Você pode até não ligar de deixar as louças sujar para o dia seguinte, mas seu colega de quarto acha a mesma coisa? E se ele quiser utilizar os utensílios? Aliás, tenha respeito com os objetos alheios. Quem comprou sabe o tanto que suou para aquilo.

4. Tudo em dia

Regra de ouro é não atrasar as contas (Imgr)

Se existe uma regra de ouro na convivência entre pessoas que dividem apartamentos e casas é não atrasar contas. Não importa o que aconteceu, mas não importa meeeesmo: sua parte do aluguel precisa ser depositada no dia combinado. Se você não tem disciplina nem para isso, não está pronto para sair da casa dos pais.

5. Caia fora

Pra quê insistir se não está dando certo? (Getty Images)

Ninguém é obrigado a nada, inclusive a conviver com uma pessoa que não respeita você. A regra é clara: se não está dando certo, simplesmente caia fora. Já cansou de falar e nada mudou? Bem, você em primeiro lugar. Isso vale para todas as partes, às vezes a organização de um não combina com o desleixo do outro e vice-e-versa. Se não está bom pra você, mesmo que a casa esteja em ordem e às mil maravilhas, caia fora. O que você precisa, na verdade, é de uma pessoa que combine mais com você e fazer esforço para seguir as outras quatro dicas.

Jornal Midiamax