O Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo, a pedido do Conselho Regional de Medicina de Mato Grosso do Sul, aplicou penalidade de censura pública ao médico ginecologista Salvador Walter Lopes de Arruda, dois anos após ele ter sido denunciado por assédio sexual. A punição foi divulgada no Diário Oficial da União desta quarta-feira (1º).

O médico, que tem várias passagens policiais por importunação sexual e assédio sexual, está inclusive com mandado de prisão em aberto. Em 2020, ao menos três pacientes procuraram a Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher) relatando a conduta inadequada do médico.

Em uma das consultas, o médico disse que a paciente era “muito gostosa” e deveria falar mais sobre sexo, quando começou a perguntar sobre as preferências sexuais dela. “Como você gosta de t…?”, questionou. Além disso, forçou um abraço na vítima ‘para que ela ficasse mais relaxada’ e ainda tentou beijá-la no rosto.

Em outra consulta, a mulher disse que estava com a menstruação atrasada, quando ouviu do médico “reza para você não estar grávida, porque você está gorda, vai ficar feia, horrorosa, vai ter diabete, hipertensão, e você só volta aqui quando emagrecer”.

Esses são apenas dois relatos dos mais de dez atendimentos inadequados registrados na polícia contra o médico. Mesmo assim, o Conselho aplicou penalidade de censura pública em publicação oficial, divulgando o nome do médico, de CRM/MS 1.217 e registro nº 234.612 no Conselho.

Pelo código de ética profissional, o médico feriu os artigos 1º, 8º, 36º e 87º do Código de Ética Médica (Resolução CFM nº 1.931/09), que são “causar dano ao paciente, por ação ou omissão, caracterizável como imperícia, imprudência ou negligência”; “afastar-se de suas atividades profissionais, mesmo temporariamente, sem deixar outro médico encarregado do atendimento de seus pacientes internados ou em estado grave”; “abandonar paciente sob seus cuidados” e “deixar de elaborar prontuário legível para cada paciente”.

Relembre

O caso veio à tona após uma vítima registrar boletim de ocorrência, em agosto de 2020, por ter sido agarrada e beijada pelo acusado. A denúncia foi apresentada alguns meses depois pelo MPMS (Ministério Público de Mato Grosso do Sul). Conforme a acusação, o médico praticou ato libidinoso com objetivo de satisfazer a própria lascívia, crime previsto no artigo 215-A, do Código Penal. Várias testemunhas confirmaram os crimes.

No relato, a vítima lembra que foi ao consultório médico em data e horários agendados. Durante a consulta, o ginecologista teria constrangido a vítima com frases de cunho sexual. Ele ainda beijou a vítima sem permissão e a abraçou. Por várias vezes, ele também fez comentários sobre a aparência da paciente, a constrangendo.

Uma médica que fez residência no hospital em que o acusado era chefe da ginecologia lembrou que, naquela época, os fatos de assédio e ato libidinoso já aconteciam. Isso, em meados de 2007. Em determinada ocasião, o médico chegou a dar um tapa nas nádegas da médica residente.

Ela alegou que não teve coragem de denunciar, já que o ginecologista era o chefe e podia reprová-la. Outras testemunhas do meio também relataram os mesmos fatos e lembraram de ocasiões em que viram o médico ‘se aproveitar’ de pacientes. Diante de todas as acusações, o médico se manteve em silêncio.

O processo tramita em sigilo, na 1ª Vara Criminal de Campo Grande, e outros três inquéritos policiais sobre o mesmo crime também foram anexados aos autos.