Prefeito de Juti tira esposa de secretaria e nomeia nova secretária de Assistência Social

O prefeito de Juti, Gilson Marcos da Cruz (PSD), designou um novo nome para a Secretária de Assistência Social após nomear a própria esposa para o comando da pasta, no último dia 8, como mostrou reportagem do Jornal Midiamax. Nesta terça-feira (12), três dias depois, um novo nome foi publicado. A divulgação na edição do […]
| 12/01/2021
- 22:34
Prefeito de Juti tira esposa de secretaria e nomeia nova secretária de Assistência Social
Gilson Marcos da Cruz com a esposa Paula Regina da Cruz (Foto: Reprodução/Facebook) - Gilson Marcos da Cruz com a esposa Paula Regina da Cruz (Foto: Reprodução/Facebook)

O prefeito de Juti, Gilson Marcos da Cruz (PSD), designou um novo nome para a Secretária de Assistência Social após nomear a própria esposa para o comando da pasta, no último dia 8, como mostrou reportagem do Jornal Midiamax. Nesta terça-feira (12), três dias depois, um novo nome foi publicado.

A divulgação na edição do Diário Oficial da Assomasul (Associação dos Municípios de ), onde consta Cleuza Cavalcante da Silva na função de Secretária Municipal de Assistência Social. Assim com Paula Regina, esposa de Gilson, a nova secretária também foi classificada no símbolo DAS-0, de maior salário entre os cargos de direção e assessoramento.

Prefeito de Juti tira esposa de secretaria e nomeia nova secretária de Assistência Social
Publicação com a da nova secretária. (Foto: Reprodução/ Assomasul)

Conforme o decreto 7.203/2010, de âmbito federal, a nomeação de familiar para cargo em comissão ou função de confiança configura nepotismo presumido. No caso, não é necessário comprovar a influência do agente público na contratação de seu parente, diferente do nepotismo cruzado – quando autoridade de um órgão nomeia parente de autoridade de outro órgão.

Além disso, a súmula vinculante número 13, do STF (Superior Tribunal Federal), diz que a nomeação de cônjuge, companheiro ou parente para cargo em comissão ou de confiança, em qualquer dos poderes, viola a Constituição Federal.

Veja também

Prefeitura de Campo Grande estima gastar até R$ 805 mil nas obras previstas na licitação

Últimas notícias