A SES-MS (Secretaria de Estado de Saúde de Mato Grosso do Sul) determinou que o hospital de campanha de seja desmontado. A estrutura foi preparada para atender os casos de (doença causada pelo novo ).

Essa desmobilização está prevista em termo aditivo de contrato, publicado na edição desta sexta-feira (30) do DOE (Diário Oficial Eletrônico). 40 leitos clínicos dessa unidade vão para o Hospital Regional Dr. José de Simone Netto.

O hospital é administrado pelo Instituto Acqua, que também operou a estrutura temporária. Metade das vagas vão para uma área específica não informada.

Para executar todas essas mudanças, a instituição vai receber R$ 3,6 milhões. Uma nota de empenho de R$ 225 mil foi emitida a título do primeiro pagamento.

Outros 20 leitos da UTI (Unidade de Terapia Intensiva) vão continuar ativos até fevereiro de 2021. O aditivo tem validade de cinco meses, contando a partir de 18 de setembro.

O Jornal Midiamax procurou a SES para saber por que o hospital de campanha será desativado, mas não obteve resposta até a publicação desta reportagem.