Política / Transparência

Campanha de Iunes, reeleito em Corumbá, recebeu doações de réu da Lama Asfáltica

Reeleito prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes (PSDB) recebeu R$ 100 mil de doação para sua campanha do empresário Antonio Celso Cortez, réu na Operação Lama Asfáltica e investigado na Vostok. Os dados constam no sistema DivulgaCand Contas (Divulgação de Candidaturas e Contas), do TSE (Tribunal Superior Eleitoral). Cortez foi o 17º maior doador a campanhas […]

Adriel Mattos Publicado em 17/11/2020, às 14h15 - Atualizado em 18/11/2020, às 10h00

O prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes | Foto: Divulgação
O prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes | Foto: Divulgação - O prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes | Foto: Divulgação

Reeleito prefeito de Corumbá, Marcelo Iunes (PSDB) recebeu R$ 100 mil de doação para sua campanha do empresário Antonio Celso Cortez, réu na Operação Lama Asfáltica e investigado na Vostok. Os dados constam no sistema DivulgaCand Contas (Divulgação de Candidaturas e Contas), do TSE (Tribunal Superior Eleitoral).

Cortez foi o 17º maior doador a campanhas eleitorais de 2020 em todo o Brasil. Ele também repassou dinheiro para outros candidatos a prefeito e a vereador.

A campanha de Iunes custou R$ 488,8 mil. Isso significa que cada um dos 21.208 votos que recebeu custou R$ 23,05.

Contando a doação de Cortez, o tucano recebeu R$ 190,7 mil. O vice-prefeito eleito, Dirceu Miguéis (PP), investiu R$ 75 mil. O empresário Antonio Roberto Gazin, sócio do Grupo Gazin, repassou R$ 30 mil.

Secretário municipal de Desenvolvimento Econômico e Sustentável, Luciano Leite doou R$ 5 mil. O mesmo valor foi repassado pelo chefe de gabinete de Iunes, Élbio Mendonça. O próprio Iunes investiu R$ 4,2 mil na campanha.

Operação Offset

O tucano é investigado no âmbito da Operação Offset, da PF (Polícia Federal). Na primeira fase, em outubro, foram cumpridos 12 mandados de busca e apreensão, expedidos pela 1ª Vara Federal de Corumbá, em Campo Grande e Corumbá. Entre os alvos estavam Márcio Iunes, irmão do prefeito e ex-nomeado de Reinaldo Azambuja (PSDB), além do secretário de Infraestrutura de Corumbá, Ricardo Campos Ametlla, e de Edson Panes de Oliveira Filho, ex-secretário de Segurança Pública, todos em Corumbá.

Na segunda etapa, às véspera da eleição, a PF foi à casa de Iunes. Outros alvos de mandado foram a Secretaria Especial de Cidadania, em que a esposa de Iunes está lotada; um apartamento na região central de Corumbá; a empresa J.B.A Iunes (José Batista Aguilar Iunes), mais conhecida como Citolab Laboratórios, pertencente ao irmão do prefeito.

Os mandados foram expedidos pelo TRF3 (Tribunal Regional Federal da 3ª Região) e segue em investigação em sigilo absoluto, razão pela qual a polícia não deu mais informações.

Questionado, o prefeito declarou na época que a nova fase estava relacionada ao laboratório Citolab. “Não aconteceu nada. Não, não, é investigação do laboratório. E minha esposa era dona do laboratório e eles estão vendo documentação”, respondeu Iunes a uma pessoa que o filmava pelo celular.

Jornal Midiamax