Política / Justiça

Sem nomeação, professores esperam resposta da Prefeitura ao TJ-MS para novos protestos

Os 281 professores remanescentes do concurso da secretária Municipal de Educação, realizado em 2009, ainda aguardam pela convocação da Prefeitura de Campo Grande. O vencimento do certame é no dia 25 de janeiro. Diante de protestos, em dezembro do ano passado, o secretário de Administração, Ricardo Ballock, prometeu que a nomeação o ocorreria na segunda-feira […]

Arquivo Publicado em 08/01/2014, às 18h05

None

Os 281 professores remanescentes do concurso da secretária Municipal de Educação, realizado em 2009, ainda aguardam pela convocação da Prefeitura de Campo Grande. O vencimento do certame é no dia 25 de janeiro. Diante de protestos, em dezembro do ano passado, o secretário de Administração, Ricardo Ballock, prometeu que a nomeação o ocorreria na segunda-feira (6).

Depois do último prazo dado pela Prefeitura, os professores estão desacreditados. “Ele pediu que não fôssemos mais fazer manifestações, que tudo seria resolvido, mas infelizmente não foi isso que aconteceu”, conta um dos professores que preferiu não se identificar. Ele alerta ainda que alguns professores que cobraram serem efetivados acabaram dispensados.

De acordo com outro professor um dos professores, eles aguardam a resposta da Prefeitura à Justiça para que novos protestos sejam realizados. “Até agora não saiu nada. Estamos aguardando a reposta à intimação do MPE para agir”, afirmou.

No início no dia 18 de dezembro, o Ministério Público Estadual (MPE), iniciou procedimento preparatório para investigar irregularidade na abertura de processo seletivo para contratação de professores temporários para atuação na rede municipal de ensino, em detrimento dos aprovados no concurso de 2009.

O caso já está no Tribunal de Justiça (TJ-MS), que ainda aguarda resposta da prefeitura a mandado emitido no dia 19 de dezembro.

Ao todo 613 professores aguardavam pela nomeação em 2013, porém 332 foram  convocados pela prefeitura no início de dezembro, após pressão dos concursados. A Justiça investiga a contratação de 1.406 professores neste período.

Jornal Midiamax