Política / Justiça

Justiça decreta prisão de suspeito de atirar em alunos da FGV

A Justiça decretou neste sábado (26) a prisão temporária de um funcionário público suspeito de envolvimento no atentado contra dois estudantes da Fundação Getúlio Vargas, na quarta-feira (23). Júlio César Grimm Bakri tinha, de 22 anos, levou cinco tiros e morreu na hora. Christopher Tominaga, de 23 anos, está internado em estado grave. Na sexta-feira […]

Arquivo Publicado em 26/02/2011, às 18h07

None

A Justiça decretou neste sábado (26) a prisão temporária de um funcionário público suspeito de envolvimento no atentado contra dois estudantes da Fundação Getúlio Vargas, na quarta-feira (23). Júlio César Grimm Bakri tinha, de 22 anos, levou cinco tiros e morreu na hora. Christopher Tominaga, de 23 anos, está internado em estado grave.

Na sexta-feira (25), ele foi reconhecido por uma testemunha do crime. A prisão temporária de 10 dias foi decretada pela Justiça no início da madrugada deste sábado.

O suspeito de 28 anos foi transferido para a carceragem do 77º DP, em Santa Cecília. Ele foi detido na manhã de sexta após uma denúncia. Uma testemunha disse à polícia que desconfiou de dois rapazes de moto. Um deles estava armado. Desconfiada, ela seguiu os suspeitos até a casa em Heliópolis. Depois que soube do crime contra os universitários, a testemunha entrou em contato com a polícia.

A moto foi apreendida pela polícia. Ela é parecida com a usada pelos criminosos no dia do crime.

As câmeras de segurança registraram o momento em que uma moto passa em frente ao bar onde estavam os universitários, na Avenida Nove de Julho. Em seguida, dois homens chegam a pé e de capacete.

O estudante Júlio César Grimm Bakri, de 22 anos, levou cinco tiros e morreu. Ele era do quarto ano de administração de empresas. O amigo dele Christopher Tominaga, de 23 anos, foi ferido por quatro tiros e está internado no Hospital das Clínicas.Segundo a polícia, os bandidos atiraram pelo menos 15 vezes contra os universitários.

As testemunhas ouvidas até agora contaram à polícia que os jovens baleados não tinham inimigos, mas os investigadores acreditam que o crime tenha sido cometido por vingança.

Jornal Midiamax