Possível candidato à prefeitura de , o ex-deputado estadual (PRTB), diz que o nome ao pleito da Capital será definido junto com ex-presidente da República, (PL). “Quero alinhar junto com Bolsonaro, quero discutir isso em grupo, independente de qual partido eu esteja. Vamos apoiar sempre um nome da direita”, diz.

O ex-deputado pretende se reunir com o ex-presidente que deve vir a neste ano. Lideranças do PL dizem que o Bolsonaro visitará o Estado em 2024 para evento de filiação do partido.

Contar também nega a possibilidade de que participaria de uma chapa na disputa da Capital com a ex-deputada federal (Podemos). “Sou muito grato pelo apoio que recebi da Rose no para governador em 2022. Reconhecer o que fazem por nosso projeto é parte da minha forma de ser como cidadão e em consequência como político. Mas reforço que a costura sobre alianças e candidaturas passa pelo ex-presidente Bolsonaro”.

A respeito da candidatura ao Governo do Estado em 2022, onde ficou ficou em 2º lugar, com 43,10% (612.113 votos), atrás do então governador eleito, Eduardo Riedel (PSDB), 56,90%, (802.210 de votos), Contar fala que essa visibilidade pode ajudar a eleger outros candidatos da direita em .

“Eu enfrentei um sistema muito forte, praticamente sozinho, foi uma campanha muito bonita, muito verdadeira, isso traz reflexo para os dias de hoje, acho que tenho grandes oportunidades de ajudar a eleger prefeitos e vereadores por todo Mato Grosso do Sul. Tudo que eu recebi de apoio, essa quantidade de votos, foram 100% de maneira livre, são pessoas que votaram livremente, não teve conchavos, não teve promessa de cargo, praticamente foi um voto gratuito, vamos se dizer assim”.

“Dessa forma eu consigo retribuir em 2024, ajudando a eleger bons vereadores, bons prefeitos por todo MS. Eu quero visitar cada município do Estado, subir no palanque de candidatos da direita, pedir votos para eles e ajudar na campanha. Vou participar ativamente da campanha 2024, sendo candidato ou não. Se a direita se unir e formar esse bloco, conseguimos desbancar velhas figuras da política”.

Contar também comentou sobre o que considera como um dos pontos mais críticos em Campo Grande e demais cidades do interior, que é o sistema de saúde. “Saúde sempre foi crítica, isso ficou muito evidente, a maior reclamação é o sistema de saúde, postos de saúde em situações precárias, fila para cirurgia, fila para ser atendido, falta de transporte para enviar paciente para as cidades maiores. A reclamação não é só de quem usa, é de todos, as vezes você tem o funcionário que fica em uma situação complicada, isso acaba afetando todo mundo”.

“Além disso, temos a questão de carga tributária, temos que reduzi-la, deixar nossos municípios mais atrativos, trazer indústrias, fazer com que tenhamos geração de empregos e que as pessoas dependam cada vezes menos de bolsas. A questão de asfalto, fazer um material de qualidade, licitar de forma limpa e contratar boas empresas”, finaliza.