Na quinta-feira (27), antes do retorno do recesso, a Câmara Municipal de Sidrolândia terá sessão extraordinária para votar a abertura de uma CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito). A intenção é apurar as licitações fraudulentas que motivaram duas operações do Gaeco (Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado) na prefeitura do município.

Conforme o presidente da Casa, Otacir Figueiredo (PP), após a primeira fase da Operação Tromper a Câmara solicitou à Prefeitura de Sidrolândia documentação sobre as licitações investigadas. No entanto, mais de 30 dias depois, ainda não teve retorno.

Na última sexta-feira (21), o município recebeu mais uma vez a ‘visita’ do Gaeco, com a prisão do servidor municipal Tiago Basso e mandados de busca cumpridos na prefeitura. Desta forma, os vereadores devem realizar uma sessão extraordinária, com início às 19 horas, na quinta-feira.

Assim, será votada a abertura de uma CPI para apurar os fatos investigados pelo Gaeco. “Ainda não sabemos se será aprovado, mas os vereadores entraram em um consenso para a sessão extraordinária”, afirmou Otacir.

Servidores municipais exonerados

Alvo das duas fases da Operação Tromper, o servidor municipal Tiago Basso da Silva e Cesar Augusto Bertoldo tiveram as exonerações publicadas no Diário Oficial da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul) desta terça-feira (25).

Tiago ocupava cargo comissionado como chefe de setor de execuções e fiscalização no município. Já Cesar Bertoldo tinha cargo em comissão de coordenador executivo de controle ambiental.

Ainda na segunda-feira (24), a prefeita Vanda Camilo já havia anunciado a exoneração de Tiago.  A publicação foi feita com data de 21 de julho, dia em que foi deflagrada a segunda fase da operação, com a prisão preventiva do servidor.

Na primeira fase da operação, Tiago já havia sido alvo, com cumprimento de mandado de busca e apreensão, junto com Cesar. “Determinei à Procuradoria e Controladoria rigorosas análises do ocorrido e das empresas investigadas”, diz a prefeita em nota.

Ainda segundo Vanda, “é de extrema importância que todas as medidas adotadas estejam em estrito cumprimento com as normas legais, incluindo as orientações de rescisão ou outras medidas jurídicas a adotar”.

“Exonerei o servidor Tiago Basso da Silva, que se encontra sob investigação, reafirmando nosso compromisso com a transparência e a legalidade em todas as instâncias da administração municipal”, disse.

Por fim, a prefeita disse que é favorável às investigações do Gaeco. “Apoiamos integralmente os órgãos de fiscalização e repudiamos qualquer conduta que vá contra os princípios éticos e legais. Nossa gestão permanece firme no objetivo de servir à comunidade, garantindo o interesse público como prioridade”, disse.

Nesta segunda fase, Cesar Bertoldo não foi alvo de prisão. No entanto, ele é citado nas ações do Gaeco, por receber valores das empresas investigadas.

Segunda fase da Tromper

Na sexta-feira (21), o Gaeco cumpriu 9 mandados em Sidrolândia, sendo cinco mandados de busca e apreensão e quatro de prisão preventiva.

O Midiamax confirmou a prisão de dois empresários e um servidor municipal. São eles Ueverton da Silva Macedo, que já foi candidato a vereador no município pelo PSD, também Roberto da Conceição Valençuela e o servidor Tiago Basso da Silva.

Além disso, o quarto mandado de prisão foi direcionado ao empresário Ricardo José Rocamora Alves, que está foragido. Segundo apurado pelo Jornal Midiamax, Rocamora tem contrato milionários em Sidrolândia.

Rocamora também foi alvo da primeira fase da Tromper, em 18 de maio deste ano. Na data, ele foi preso em flagrante e encaminhado à delegacia de Sidrolândia. Contudo, pode ter sido solto após audiência de custódia.