Política

PSB quer Governo de MS e 'criar' bancadas na Assembleia e Câmara Federal, diz Carlão

Se desistir de apresentar nome, partido quer compor com outras legendas e presidente cita PSD ou PSDB

Mayara Bueno Publicado em 04/08/2021, às 08h43 - Atualizado às 09h08

Vereadores João Rocha (PSDB) e Carlão (PSB), durante a primeira sessão do 2º semestre na Câmara Municipal
Vereadores João Rocha (PSDB) e Carlão (PSB), durante a primeira sessão do 2º semestre na Câmara Municipal - (Foto: Marcos Ermínio, Jornal Midiamax)

O PSB em Mato Grosso do Sul quer chegar ao cargo majoritário em 2022, seja com candidatura própria ou se aliando com uma das pré-candidaturas que já começam a ser cogitadas. O posicionamento é do presidente da Câmara Municipal, vereador Carlão, que também dirige o partido em Campo Grande.

"Nós estamos preparando o PSB no interior, para a gente enfrentar as eleições, colocar na bancada estadual pelo menos dois deputados estaduais e torcer para fazer um federal". Atualmente, a legenda não tem representantes na Assembleia Legislativa e na Câmara Federal. Com pessoas nestas esferas, diz Carlão, 'o partido oxigena mais e sobrevive melhor'. "Os recursos partidários, quando não tem deputado federal, por exemplo, são ínfimos, pouquinho".

Entre as possibilidades de nome para disputa ao Governo do Estado, o presidente cita o médico Ricardo Ayache, que comanda a sigla no Estado - ele é presidente da Cassems (Caixa de Assistência dos Servidores de MS). "Mas temos que decidir se vamos disputar como cabeça ou se vamos aliar com algum partido de centro-esquerda, ou até mesmo com os dois que estão aí".

Neste caso, são o PSDB, que tem o secretário da Seinfra (Secretaria de Infraestrutura), Eduardo Riedel como pré-candidato, ou o PSD, cogitando lançar o prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad. O PSB apoiou os dois nos respectivos pleitos de reeleições do governador Reinaldo Azambuja, em 2018, e do chefe do Executivo da Capital, em 2020.

Jornal Midiamax