Política

Atual presidente, Lídio quer ser reconduzido e indefinição marca composição da CCJR

Depois de uma reviravolta na recomposição do G8, a CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) da Alems (Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul) continua paralisada em 2021. Presidente do colegiado, Lídio Lopes (Patriota) quer ser reconduzido. Lídio integra o antigo G8, que teve a adesão de Neno Razuk (PTB). Ele será […]

Adriel Mattos Publicado em 10/02/2021, às 07h57 - Atualizado às 11h44

Nenhum dos blocos tem intenção de reconduzir Lídio à principal comissão da Assembleia. (Foto: Wagner Guimarães, Alems)
Nenhum dos blocos tem intenção de reconduzir Lídio à principal comissão da Assembleia. (Foto: Wagner Guimarães, Alems) - Nenhum dos blocos tem intenção de reconduzir Lídio à principal comissão da Assembleia. (Foto: Wagner Guimarães, Alems)

Depois de uma reviravolta na recomposição do G8, a CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) da Alems (Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul) continua paralisada em 2021. Presidente do colegiado, Lídio Lopes (Patriota) quer ser reconduzido.

Lídio integra o antigo G8, que teve a adesão de Neno Razuk (PTB). Ele será o vice de Marcio Fernandes (MDB), novo líder do bloco. Ele cogita deixar o grupo para garantir sua cadeira.

A reportagem do Jornal Midiamax apurou que a reunião de ontem, terça-feira (9), terminou sem uma decisão de Lídio. Ele não chegou a admitir aos colegas seu objetivo de permanecer na CCJR.

Nos bastidores, o G10 de Londres Machado (PSD) ainda faz mistério sobre as indicações. Não há chances concretas de Londres indicar Lídio, se o parlamentar decidir mudar de bloco.

Em 2020, a CCJR só foi oficialmente reaberta 15 dias depois da abertura do ano legislativo, após intensas deliberações dos parlamentares. Porém, o consenso sobre a presidência do colegiado só foi atingido uma semana depois.

Jornal Midiamax