Política

Lídio vai presidir CCJ, mas análise de projetos fica para depois do Carnaval

Apesar de afirmaram que só depois do Carnaval o presidente da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) seria definido, os deputados estaduais escolheram nesta quarta-feira (19) Lídio Lopes (Patriota) para continuar com o cargo na principal comissão da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. Quem confirmou a decisão foi o deputado Evander Vendramini […]

Mayara Bueno Publicado em 19/02/2020, às 11h34 - Atualizado às 11h56

O deputado estadual Lídio Lopes durante reunião da CCJR. (Marcos Ermínio, Midiamax, Arquivo).
O deputado estadual Lídio Lopes durante reunião da CCJR. (Marcos Ermínio, Midiamax, Arquivo). - O deputado estadual Lídio Lopes durante reunião da CCJR. (Marcos Ermínio, Midiamax, Arquivo).

Apesar de afirmaram que só depois do Carnaval o presidente da CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) seria definido, os deputados estaduais escolheram nesta quarta-feira (19) Lídio Lopes (Patriota) para continuar com o cargo na principal comissão da Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul.

Quem confirmou a decisão foi o deputado Evander Vendramini (PP). Mesmo assim, os projetos de leis de 2020 só começam a ser analisados em março, porque as reuniões da CCJ ocorrem às quartas-feiras, pela manhã. Como semana que vem será quarta-feira de Cinzas, a primeira reunião só ocorre dia 4 do próximo mês.

Nesta quarta-feira (19), os parlamentares concluíram a formação da CCJ, constituída de cinco membros, depois de 15 dias da retomada dos trabalhos no Legislativo estadual. Restava apenas o G11 escolher quem, de seu bloco, ficaria com as vagas.

A Comissão de Constituição e Justiça ficou com Evander Vendramini e Gerson Claro, ambos do PP, pelo G11. Do G8, Eduardo Rocha (MDB) e Lídio Lopes, sendo este o presidente, e o PSDB indicou Rinaldo Modesto, que ficou como vice-presidente do colegiado.

Em ocasião anterior, Lídio Lopes disse que só aceitaria a presidência, caso sua indicação fosse consenso entre os colegas. No momento do anúncio, feito por Evander, o novo presidente da CCJ não estava no plenário.

Jornal Midiamax