Política

Após confusão na Câmara, vereadores rejeitam moção de repúdio contra fala de secretário

Discussão foi durante audiência sobre passaporte de vacinação contra Covid-19

Mayara Bueno Publicado em 28/09/2021, às 11h53 - Atualizado às 12h19

Vereadores durante sessão nesta terça-feira (28)
Vereadores durante sessão nesta terça-feira (28) - (Foto: Reprodução, Facebook Câmara Municipal de Campo Grande)

Por 19 votos contrários e três favoráveis, a Câmara Municipal de Campo Grande rejeitou moção de repúdio que o vereador Tiago Vargas (PSD) apresentou contra o secretário de Saúde de Mato Grosso do Sul, Geraldo Resende. Na segunda-feira (27), audiência para discutir a viabilidade da adoção do passaporte de imunização contra Covid-19 terminou em confusão.

O autor da moção disse que o titular faltou com o respeito à Casa de Leis, ao chamar alguns manifestantes de 'nazistas e fascistas'. Mesmo concordando com o colega em relação às críticas, vereador Dr. Victor Rocha (PP) foi um dos que votou não, mas ressaltou que 'não se deve desrespeitar ou qualificar alguém apenas por pensar diferente'. 

"Uma coisa é a plateia se manifestar em conjunto, outra é um homem público responder isso, há várias maneiras de se posicionar", completou o vereador Sandro Benites (Patriota), que, apesar de não concordar com as falas, votou contra a moção. 

Camila Jara (PT) citou que o secretário Geraldo Resende é o titular que melhor desempenhou a condução da pandemia e vacinação no Brasil. "Quero parabenizar pela excelência na condução e por sempre ser um democrata", disse ao declarar voto contrário ao documento de Tiago Vargas.

Sem direito a voto em proposições na Casa de Leis, o presidente da Câmara Municipal, vereador Carlão (PSB), pontuou que o 'respeito tem de ser mútuo' e destacou que manifestantes da plateia xingaram vereadores e titular durante a audiência. "Esse tipo de debate eu estou fora, eu sou a favor do campo de ideias". Mais cedo, o dirigente tinha dito que as pessoas contra o passaporte vieram com intenção de tumultuar.

Os três votos favoráveis foram do proponente Tiago Vargas, Gilmar da Cruz e Betinho, ambos do Republicanos. Já Beto Avelar, Otávio Trad, Valdir Gomes, Clodoilson Pires, Ronilço Guerreiro, Zé da Farmácia, Professor Juari, Ademir Santana, Silvio Pitu, Professor Riverton, Dr. Loester, Edu Miranda, Airton Araújo, Camila Jara, Professor André Luis, Alírio Villasanti, Marcos Tabosa, Dr. Victor Rocha e Sandro Benites, votaram não. Os demais estavam ausentes na hora da votação. 

Jornal Midiamax