Política

Não são parcerias e nem pessoas, mas ações que contam, diz Marquinhos sobre eleições

Rotineiramente questionado sobre as eleições municipais de 2020, o prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad (PSD) disse nesta segunda-feira (03) que não são as parcerias e nem pessoas, mas as ações do seu mandato que devem contar para a disputa eleitoral, em resposta aos jornalistas. Trad participou da reabertura dos trabalhos na Câmara Municipal após […]

Evelin Cáceres Publicado em 03/02/2020, às 11h37 - Atualizado em 04/02/2020, às 08h14

Marquinhos Trad durante entrevista em evento. (Marcos Ermínio, Midiamax, Arquivo).
Marquinhos Trad durante entrevista em evento. (Marcos Ermínio, Midiamax, Arquivo). - Marquinhos Trad durante entrevista em evento. (Marcos Ermínio, Midiamax, Arquivo).

Rotineiramente questionado sobre as eleições municipais de 2020, o prefeito de Campo Grande Marquinhos Trad (PSD) disse nesta segunda-feira (03) que não são as parcerias e nem pessoas, mas as ações do seu mandato que devem contar para a disputa eleitoral, em resposta aos jornalistas.

Trad participou da reabertura dos trabalhos na Câmara Municipal após o retorno do recesso legislativo ao lado de Carlos Alberto de Assis (PSDB), secretário especial de Governo de Reinaldo Azambuja (PSDB).

“Estou trabalhando e sigo andando tranquilamente nas ruas. Eu vou aos bairros jogar minha bola, como fui neste final de semana. Acredito que quanto mais a gente trabalha, mais a população pode julgar o trabalho. Não são parcerias e nem pessoas. Não é o discurso, mas a ação”, comentou.

Marquinhos disse, ainda, que antes de assumir o primeiro mandato eletivo aos 41 anos, era professor e advogado. “Eu estou prefeito. Sou advogado e professor. Vivia tranquilamente”.

Perguntado sobre candidatos a vice, Marquinhos decretou ainda não ter. “Nunca fiz política partidária. Quando estava no MDB me falaram que eu não seria candidato porque teria que procurar um partido maior, com tempo de TV. Fui para um partido menor. Também falaram que eu tinha que ter uma vice com maior tempo de televisão. Tenho uma vice de partido pequeno. Não é isso que ganha eleição”, ponderou.

Carlos Assis, que afirmou que gostaria de ser prefeito de Campo Grande, mas que já foi cogitado para uma possível composição a vice com o PSD, saiu do evento rapidamente e não fez discurso durante a solenidade.

Jornal Midiamax