Política

Com 14 votos favoráveis, Assembleia aprova calamidade pública em Campo Grande

Decreto legislativo reconhecendo calamidade pública em Campo Grande devido ao coronavírus, foi protocolado nesta quarta-feira (22), aprovado pela CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) e incluído na pauta dos deputados, sendo aprovado por 14 votos favoráveis, seis contrários e duas abstenções. Sem justificar, Coronel David (sem partido) e Capitão Contar (PSL), votara...

Renata Volpe Publicado em 22/04/2020, às 12h14 - Atualizado às 13h43

Deputados em sessão remota. (Luiz Carlos Junior, Alems)
Deputados em sessão remota. (Luiz Carlos Junior, Alems) - Deputados em sessão remota. (Luiz Carlos Junior, Alems)

Decreto legislativo reconhecendo calamidade pública em Campo Grande devido ao coronavírus, foi protocolado nesta quarta-feira (22), aprovado pela CCJR (Comissão de Constituição, Justiça e Redação) e incluído na pauta dos deputados, sendo aprovado por 14 votos favoráveis, seis contrários e duas abstenções.

Sem justificar, Coronel David (sem partido) e Capitão Contar (PSL), votaram não. João Henrique Catan (PL) disse que o decreto legislativo é genérico e a medida não justifica a calamidade pública.

Rinaldo Modesto (PSDB) foi contrário dizendo ser otimista e que o momento não acarreta em calamidade pública. Márcio Fernandes (MDB) e Pedro Kemp (PT), também foram contra o decreto legislativo.

Antônio Vaz (Republicanos) foi favorável e pediu ao prefeito, Marquinhos Trad (PSD) para olhar com cuidado aos profissionais de saúde. “Como presidente da Comissão de Saúde, tenho recebido do Ministério Público algumas denúncias como falta de EPIs aos profissionais de saúde, que estão na linha de frente no combate ao coronavírus. O decreto pode ajudar o município com isso”.

Jornal Midiamax