Política

Deputado de MS repudia Porta dos Fundos por especial de Natal que ironiza Jesus na Netflix

O deputado Herculano Borges (SD) apresentou Moção de Repúdio em sessão nesta quinta-feira (12), contra a Netflix sobre o especial de Natal do canal Porta dos Fundos. O filme tem duração de 46 minutos e estrou na semana passada na plataforma de Streaming.  O enredo do especial de Natal se passa no aniversário de 30 […]

Renata Volpe Publicado em 12/12/2019, às 13h35 - Atualizado às 16h35

Episódio especial do Porta dos Fundos na Netflix causou polêmica por representar Jesus como jovem gay | Foto: Reprodução | Porta dos Fundos
Episódio especial do Porta dos Fundos na Netflix causou polêmica por representar Jesus como jovem gay | Foto: Reprodução | Porta dos Fundos - Episódio especial do Porta dos Fundos na Netflix causou polêmica por representar Jesus como jovem gay | Foto: Reprodução | Porta dos Fundos

O deputado Herculano Borges (SD) apresentou Moção de Repúdio em sessão nesta quinta-feira (12), contra a Netflix sobre o especial de Natal do canal Porta dos Fundos. O filme tem duração de 46 minutos e estrou na semana passada na plataforma de Streaming. 

O enredo do especial de Natal se passa no aniversário de 30 anos de Jesus e satiriza seu retorno após 40 dias de jejum no deserto e se chama “A primeira tentação de Cristo”.

Borges afirmou que no filme, Jesus é tratado como homessexual e Maria como prostituta. “Já apresentei a Moção de Repúdio contra Netflix. Repudio esse filme, é um absurdo”.

Deputado de MS repudia Porta dos Fundos por especial de Natal que ironiza Jesus na Netflix
Antônio Vaz usou a tribuna e Herculano Borges afirmou ter apresentado moção de repúdio. (Luciana Nassar, ALMS)

Pastor há 25 anos, o deputado Antônio Vaz (Republicanos) usou a tribuna e falou que considera o programa constrangedor. “Uma sátira que parece mais um vilipêndio religioso, um enredo que deveria ser cômico, mas não é. Sou autor do projeto que proíbe o vilipêndio religioso de dogmas e crenças relativas à religião cristã, na forma de sátira, ridicularização ou menosprezo e está em tramitação”.

Barbosinha (DEM) afirmou que o filme agride todo mundo, independente de religião. “Este assunto agride a todos, já que não tem nenhuma consonância com a história escrita sobre a vida de Jesus. Então não dá para abstrair como sendo algo fictício”, considerou.

No vídeo, Jesus, interpretado por Gregório Duvivier, leva para casa um amigo esquisito, interpretado por Fábio Porchat, com quem vive um romance gay espantando José, Maria, os reis magos e até de Deus. A sátira já traz na sinopse que é “um especial de Natal tão errado que só podia ser do Porta dos Fundos”. Mas o aviso não foi suficiente para apaziguar conservadores, que deram partida às críticas quase imediatamente após a estreia do filme.

Jornal Midiamax