Política

Dos 29 vereadores, 14 devem disputar vagas para o Senado, ALMS e Câmara Federal

A Câmara Municipal de Campo Grande tem 29 vereadores, dos quais 14 devem disputar eleições para o Senado, ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) e Câmara Federal. Apesar disso, nenhum deles deve se afastar para fazer campanha política, que começa oficialmente nesta quinta-feira (16). Concorrem para vagas de deputado estadual André Salineiro (PSDB), […]

Evelin Cáceres Publicado em 16/08/2018, às 15h26 - Atualizado em 20/07/2020, às 01h49

None

A Câmara Municipal de Campo Grande tem 29 vereadores, dos quais 14 devem disputar eleições para o Senado, ALMS (Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul) e Câmara Federal. Apesar disso, nenhum deles deve se afastar para fazer campanha política, que começa oficialmente nesta quinta-feira (16).

Dos 29 vereadores, 14 devem disputar vagas para o Senado, ALMS e Câmara FederalConcorrem para vagas de deputado estadual André Salineiro (PSDB), Betinho (PRB), Chiquinho Telles (PSD), Delegado Wellington (PSDB), Dr. Loester (MDB), Enfermeiro Fritz (PSD), Junior Longo (PSB), Lucas de Lima (SD), Pastor Jeremias (Avante) e Vinícius Siqueira (DEM).

Para deputado federal, estão registradas as candidaturas de Wilson Sami (MDB), Enfermeira Cida (Pros) e Odilon Oliveira (PDT). Gilmar da Cruz (PRB) é candidato ao Senado após Pedro Chaves desistir de concorrer.

Ficaram de fora da disputa nas urnas neste ano Ademir Santana (PDT), Ayrton Araujo (PT), Carlão (PSB), Cazuza (PP), Dharleng Campos (PP), Antônio Cruz (PSDB), Dr. Lívio (PSDB), Eduardo Romero (Rede), João César Mattogrosso (PSDB), Otávio Trad (PTB), Papy (SD), João Rocha (PSDB), Valdir Gomes (PP), Veterinário Francisco (PSB) e William Maksoud (PMN).

Atuação na Casa

Os candidatos explicam que é possível conciliar o mandato, que tem apenas duas sessões por semana pela manhã na Câmara, com viagens pelo interior e reuniões partidárias. Junior Longo disse que dá para viajar aos fins de semana.

O Pastor Jeremias também afirma que não prejudica o mandato. “Reuniões políticas acontecem geralmente a noite”, frisou.

Jornal Midiamax