Política

Depois de disputa por mandato, médico assume vaga de vereador eleito deputado

Alvo de pedido de cassação no início deste ano, o vereador de Campo Grande Lucas de Lima (SD) viu as tentativas de afastá-lo do cargo fracassarem e, neste domingo (7), foi eleito para assumir uma vaga na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. Em seu lugar, o ex-coordenador do Samu Eduardo Cury (SD) herda […]

Richelieu Pereira Publicado em 08/10/2018, às 11h05 - Atualizado às 13h15

Eduardo Cury e Lucas de Lima. (Foto: Arquivo/Midiamax/CMCG)
Eduardo Cury e Lucas de Lima. (Foto: Arquivo/Midiamax/CMCG) - Eduardo Cury e Lucas de Lima. (Foto: Arquivo/Midiamax/CMCG)
Depois de disputa por mandato, médico assume vaga de vereador eleito deputado
Eduardo Cury e Lucas de Lima. (Foto: Arquivo/Midiamax/CMCG)

Alvo de pedido de cassação no início deste ano, o vereador de Campo Grande Lucas de Lima (SD) viu as tentativas de afastá-lo do cargo fracassarem e, neste domingo (7), foi eleito para assumir uma vaga na Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul. Em seu lugar, o ex-coordenador do Samu Eduardo Cury (SD) herda a vaga na Câmara da Capital.

Primeiro suplente de Lucas, Cury chegou a entrar com uma petição na Justiça para que fosse analisada a condenação do correligionário condenado a um ano e quatro meses de prisão por apropriação indébita e cujo trâmite foi dado como transitado em julgado pelo STJ (Superior Tribunal de Justiça).

No fim, a 5ª Vara da Justiça Federal declarou extinta a punição de prisão, posteriormente convertida em prestação de serviços, e Lucas Amor Sem Fim, como é conhecido o radialista, foi mantido na Câmara e o processo de cassação na Casa foi suspenso.

Superando este imbróglio, Lucas foi eleito deputado estadual com 12.391 mil votos no domingo. Ele ficou com a 23ª vaga, se posicionando à frente concorrentes que tiveram mais votos. No entanto, o candidato do SD foi impulsionado pelo quociente eleitoral da coligação com o PPS, PSL, PSB, PP, PTB, PMB, PR e PSC.

Atualmente, Eduardo Cury aguarda o início de 2019, quando Lucas será empossado na Assembleia, para ser convocado para a Câmara. Enquanto isso, diz que vai planejar como conciliar a vida de médico com o trabalho de vereador.

“Quando me candidatei, eu tinha um projeto e eu agora estou reavivando esse projeto”, explicou Cury ao telefone, nesta segunda-feira (8). “Não vivo da política, não me candidatei por causa disso”.

Sobre o confronto jurídico com o colega de partido no início do ano, Cury afirma que fez seu papel de cidadão e a Justiça encerrou o caso. “Esse é um compromisso que não abro. A gente precisa, quando tem algum tipo de coisa nebulosa, esclarecer. Eu fiz o meu papel. Ele está legitimado. Aconteceram pareceres distintos na Justiça e eu tenho que respeitar”, conclui.

A reportagem tentou contato com Lucas de Lima, mas não obteve retorno até a publicação desta matéria.

Jornal Midiamax