“Reprodução irresponsável e satânica”, diz Marquinhos sobre baleia azul

Desafio incentiva o suicídio 
| 26/04/2017
- 01:27
“Reprodução irresponsável e satânica”, diz Marquinhos sobre baleia azul

Desafio incentiva o suicídio 

O Prefeito de Campo Grande (PSDB) classificou o ‘jogo’ , que incentiva a prática de suicídio entre jovens e adolescentes, como “reprodução irresponsável e satânica”. A declaração foi feita na tarde desta terça-feira (25), durante abertura dos jogos escolares.

Em sua fala durante a cerimônia, Trad afirmou que ao contrário de municípios que atuam na remediação, sua gestão está focada prevenção, incentivando que “crianças e adolescentes tornem-se homens e mulheres de bem, úteis na sociedade”.

Contudo, Marquinhos afirmou que ainda assim, o Baleia Azul também também é assunto prioritário. “É um problema que se for deixado de lado é fatal, se não fosse assim o Brasil inteiro não estaria alardeado. Todos estão preocupados com essa reprodução irresponsável e satânica que mutila os jovens e leva alguns deles a praticarem atos contra a própria vida”, explicou.

‘Baleia Azul’

Apontado como um jogo que teve origem na Rússia, o ‘Baleia Azul’ tem um curador ou moderador que distribui os desafios a partir de um grupo secreto onde os contatos são iniciados pelo Facebook. Entre os desafios estão provas mórbidas que de certa forma preparam os participantes para o suicídio.

São desafios típicos, por exemplo: escrever frases e fazer desenhos com lâminas na palma da mão e nos braços, assistir a filmes de terror de madrugada, subir no alto de um telhado ou edifício, escutar músicas depressivas, mutilar partes do corpo – como os lábios -, ficar doente, ir a uma estrada de ferro de madrugada, receber e aceitar uma data para a sua morte e cumprir essa missão.

Na última semana, a morte de Gabriel Antônio dos Santos Cabral, de 19 anos, passou a ser investigada após a família descobrir que ele jogava o ‘Baleia Azul’. O caso aconteceu em Pará de Minas, Gabriel tinha mulher e uma filha de apenas 40 dias e segundo sua mãe, Maria de Fátima Santos, de 37, vinha tentando deixar esse grupo, mas sofria uma pressão muito grande.

O corpo dele foi encontrado pela mulher sobre a cama do casal. A Polícia Militar e o Corpo de Bombeiros foram acionados e os socorristas encontraram cinco cartelas vazias de um antidepressivo. Estima-se que o rapaz tenha ingerido dezenas desses comprimidos na noite anterior.

Veja também

Apesar dos indícios de corrupção na licitação, MPMS 'dispensou' delatores que entregaram o esquema no PR; Defesa do Consórcio Guaicurus comemorou

Últimas notícias