Política

Puccinelli deixa reunião do PSB às pressas e nega relação com eleições

Ex-governador elogiou representatividade de Tereza em Brasília

Evelin Cáceres Publicado em 05/05/2017, às 15h02

None
puccinelli_psb.jpg

Ex-governador elogiou representatividade de Tereza em Brasília

Surpresa no evento da deputada federal Tereza Cristina (PSB), destituída do comando da sigla em Mato Grosso do Sul por ter votado favorável à reforma trabalhista na Câmara Federal, André Puccinelli (PMDB) disse ter sido convidado ao evento. O ex-governador negou que a aproximação desta sexta-feira (5) tenha sido feita visando as eleições ao governo em 2018.

Puccinelli, que deixou o evento assim que acabou e foi rapidamente para o seu carro, elogiou a deputada durante o discurso.

“Um dos maiores acertos do meu governo foi tê-la como secretária. É uma pessoa leal, competente e estou admirado de ver todos os demais filiados aqui, prestando apoio”, declarou sobre a deputada, que foi secretária da Seprotur (Secretaria de Estado de Desenvolvimento Agrário, da Produção, da Indústria, do Comércio e do Turismo).

O ex-governador destacou o ‘sucesso’ da deputada em Brasília. “Apesar dos adversários políticos, venho por ter carinho e admiração pela Tereza, que é uma mulher líder que ganhou representatividade no Congresso”. Puccinelli negou que tenha convidado a deputada para o PMDB. “Seria até uma falta de respeito com o que ela pensa. Sei que ela tem vários convites, eu respeito”, afirmou.

A deputada reuniu filiados da sigla no Estado para explicar suas ‘convicções’ favoráveis às reformas propostas pelo presidente Michel Temer (PMDB).

“As reformas (trabalhista e da previdência) são necessárias para o Brasil”, justificou Tereza, que afirmou ainda que não vai aceitar ‘igual um cordeirinho’ a decisão da Executiva Nacional peessebista de destituí-la da presidência da sigla em Mato Grosso do Sul.

De acordo com a deputada, que alegou não ver prejuízos na reforma trabalhista, apesar do posicionamento do próprio PSB de que a proposta retira de direitos garantidos aos trabalhadores, o assunto se tornou um debate político entre oposição e base do governo Temer.

Mesmo após alegar que não será ‘cordeirinho’, a deputada fez um balanço do seu mandato à frente da executiva estadual do PSB. “Espero que façam (a direção nacional) uma boa escolha (do novo presidente estadual). Acho que fui uma boa presidente, o partido cresceu bastante e conseguimos resolver algumas pendências”, pontuou.

Jornal Midiamax