Política

Prefeito leva à Câmara 22 projetos do Prodes com investimento de R$ 155 milhões

Empresas devem gerar quase 800 empregos diretos na Capital  

Ludyney Moura Publicado em 06/04/2017, às 15h15

None
c0599157-8c48-4f5c-b418-9b6333975269.jpg

Empresas devem gerar quase 800 empregos diretos na Capital

O prefeito de Campo Grande, Marquinhos Trad (PSD), aproveitou sua visita à Câmara da Capital, na sessão desta quinta-feira (6) para entregar aos vereadores 22 projetos oriundos do Prodes (Programa de Incentivos para o Desenvolvimento Econômico e Social de Campo Grande), de empresas interessadas em se instalar ou ampliar suas atividades na cidade, com investimentos que chegam a R$ 155 milhões.

Segundo Marquinhos, o Codecon (Conselho Municipal de Desenvolvimento Econômico), que analisa os projetos do Prodes, já se reuniu cinco vezes este ano, para atender à demanda que estava parada na Sedesc (Secretaria Municipal de Desenvolvimento Econômico, Ciência e Tecnologia, Turismo e Agronegócio).

“No ano passado o Codecon teve uma reunião só. Varias empresas debandaram e perdemos cerca de 34 mil empregos”, disse o prefeito aos vereadores.

O titular da Sedesc, Luiz Fernando Buainain, disse que dentre os pedidos das empresas estão isenção total ou parcial do IPTU (Imposto Territorial e Predial Urbano) por até 10 anos, doação de terrenos e isenção do ISSQN (Imposto Sobre Serviço de Qualquer Natureza) nas obras de construção.

Juntas, as 22 empresas devem oferecer ao menos 781 novos postos de trabalho. Uma delas, a Leroy Merlin quer ampliar suas atividades e pode contratar 190 funcionários. Marquinhos ainda citou uma outra empresa que desde 2014 tenta os incentivos do Prodes, e que pode investir R$ 15 milhões na Capital e abrir 80 empregos diretos.

Buainain disse também que além dos 22 projetos entregues hoje na Câmara, e que devem ser apreciados na próxima semana pelos vereadores, outros 14 ainda estão em análise no Codecon.

Marquinhos ainda se comprometeu com o legislativo a assinar os contratos com as empresas na Câmara de Vereadores, e não mais no Paço Municipal. 

Jornal Midiamax