Política

Pedido de expulsão no PDT-MS destaca candidatura própria para governo em 2018

Odilon é aposta do partido para sucessão de Reinaldo

Ludyney Moura Publicado em 01/12/2017, às 12h32

None

Odilon é aposta do partido para sucessão de Reinaldo

O PDT-MS vai começar a analisar o pedido de expulsão do deputado estadual George Takimoto, por seu voto favorável à reforma da previdência dos servidores estaduais, durante a tumultuada sessão da última terça-feira (28). Pedetistas temem que seu voto ‘contra o trabalhador’ prejudique o partido em 2018.

No documento que pede a expulsão do parlamentar, o grupo de pedetistas ligados a movimentos sindicais e sociais, alega que a presença de Takimoto na legenda pode ‘influenciar negativamente’ o partido, e prejudicar os planos do PDT de eleger o governo do Estado e aumentar sua bancada na Assembleia e na Câmara dos Deputados.Pedido de expulsão no PDT-MS destaca candidatura própria para governo em 2018

Um dos sindicalistas que assina o documento, Estevão Rocha, dirigente regional da Força Sindical, diz que o voto de Takimoto contraria não só a orientação da cúpula do PDT, mas, também, configura um desrespeito ao estatuto da legenda.

A nova diretoria executiva do PDT em Mato Grosso do Sul, que deve tomar posse nesta sexta-feira (1), vai analisar o pedido. A defesa do deputado poderá ser feita na Comissão de Ética do diretório.

O processo de expulsão pode levar até três meses. O parlamentar, já revelou que recebeu convites de outros partidos, caso sua saída do PDT se efetive.

A convenção estadual do PDT acontece na manhã de hoje, na sede do partido na Capital.

Jornal Midiamax