Política

Deputado critica guarda armada em comissão que vota reforma da Previdência

Houve bate-boca entre Carlos Marun e Ivan Valente

Joaquim Padilha Publicado em 09/05/2017, às 14h04

None
comissao_da_reforma.jpg

Houve bate-boca entre Carlos Marun e Ivan Valente

A comissão especial que vota a reforma da Previdência nesta terça-feira (9), em continuidade ao processo que se iniciou na última quarta-feira (3) com bate-boca entre os deputados Ivan Valente (PSOL) e o sul mato grossense Carlos Marun (PMDB).

Valente, assim como outros deputados da oposição, reclamaram na Comissão do impedimento a entrada de pessoas externas à Casa de Leis. A restrição, imposta para esta terça e quarta-feira (10), visa impedir que manifestantes atrapalhem a votação da reforma.

O deputado do PSOL defendeu a entrada dos manifestantes na Câmara, ao que Marun argumentou contra. Valente denunciou o fato da guarda legislativa estar armada. “Não é bala de borracha, é bala mesmo! Isso é inconstitucional”, disse o parlamentar.

O psolista pediu que fossem retiradas “todas as grades em torno da Câmara”. Enquanto falava, Marun, que preside a comissão especial na Casa, fazia não com a cabeça. “Vamos iniciar os trabalhos”, disse o peemedebista antes que a discussão se prolongasse.

Na semana passada, agentes penitenciários invadiram a comissão especial protestando contra a reforma da Previdência. A sessão desta terça-feira deve se prolongar até o final da tarde.

Além da obstrução que partidos de oposição vêm fazendo na comissão, os destaques serão votados um de cada vez, com tempo de orientação de bancada e votação nominal. Na semana passada, o governo esperava concluir a votação do texto na comissão naquela data.

(com supervisão de Evelin Cáceres)

Jornal Midiamax