Política

Confira os nomes: PF cumpre 3 prisões preventivas e 9 conduções

Puccinelli foi conduzido coercitivamente

Evelin Cáceres Publicado em 11/05/2017, às 11h17

None

Puccinelli foi conduzido coercitivamente

O ex-secretário adjunto de Fazenda de Mato Grosso do Sul, André Cance Júnior, o dono da Gráfica Alvorada, Mirched Jafar Júnior, e o ex-coordenador de administração e apoio escolar de André Puccinelli, são os três presos preventivamente na manhã desta quinta-feira (11) durante a Operação Máquinas de Lama, da Polícia Federal, Ministério da Transparência (Controladoria-Geral da União) e Receita Federal.

O ex-governador André Puccinelli e seu filho, o advogado e professor universitário André Puccinelli Júnior foram conduzidos coercitivamente para a sede da delegacia federal nas primeiras horas da manhã. Mesmo sem ser preso, Puccinelli deverá usar uma tornozeleira eletrônica.

Rodolfo Holsback, dono da H2L e da HBR, seria levado em condução coercitiva, mas acabou preso em flagrante após a polícia achar armas iegais na casa dele.

Ao todo, são nove mandados de condução e 32 mandados de busca e apreensão, além do sequestro de valores nas contas bancárias de pessoas físicas e empresas investigadas.

Empresas suspeitas

Os três órgãos que conduzem a operação estiveram na sede das empresas Digix, a antiga Digitho Brasil, HBR e H2L. Todas com contratos com o governo do Estado durante a gestão de Puccinelli, que foi governador entre 2007 a 2014.

A Gráfica Jafar Ltda., também conhecida como Gráfica Alvorada, do empresário Mirched Jafar Júnior, é investigada pela PF (Polícia Federal) na Operação Lama Asfáltica como suspeita no esquema de pagamento de propina com o grupo de Puccinelli.

Além de Campo Grande, 270 agentes da PF, CGU e RF estão nas cidades de Nioaque, Porto Murtinho e Três Lagoas, em Mato Grosso do Sul, São Paulo (SP) e Curitiba (PR), são alvos dos Operação que cumpre três mandados de prisão preventiva, nove de condução coercitiva, 32 de busca e apreensão além do sequestro de valores nas contas bancárias de pessoas físicas e empresas investigadas.

Jornal Midiamax