Política

Vereador que foi preso e cassado retorna à Câmara por força de cautelar

Ele é acusado de extorsão

Jessica Benitez Publicado em 05/04/2016, às 17h18

None
nandinho.jpg

Ele é acusado de extorsão

O vereador de Bonito, Reginaldo dos Reis Nunes Rocha (PMDB), popularmente conhecido como Nandinho dos Correios, conseguiu retornar ao cargo após ficar afastado da Câmara Municipal desde o final de 2013 quando teve mandato cassado sob acusação de concussão, ou seja, extorsão praticada por servidor público. De acordo com o advogado Ary Raghiant, na última sexta-feira (1°) o TSE (Tribunal Superior Eleitoral) anulou as provas da ação.

Agora cabe ao TRE-MS (Tribunal Regional Eleitoral de Mato Grosso do Sul) realizar novo julgamento. Até lá o peemedebista fica no cargo por força de medida cautelar. “Ele respondeu processo na Justiça Eleitoral e foi cassado em primeira instância. Depois a cassação foi confirmada pelo TRE, recorremos ao TSE e pedimos para anular as provas. O TSE mandou anular, então vamos aguardar novo julgamento”, explicou o advogado.

Ele retornou à Casa de Leis na manhã desta terça-feira (5) e, segundo a defesa, houve certa resistência do atual presidente do Legislativo, Amir Peres Trindade (PDT), em aceitar a decisão.

Em setembro de 2012 Nandinho foi preso por supostamente estar exigindo dinheiro de vereadores e ex-vereadores da legislatura 2004/2008 para liberar diferença salarial a que eles tinham direito num total de R$ 49 mil para cada.

À época o denunciado argumentou que não havia provas da prática de abuso de autoridade, uma vez que as testemunhas ouvidas em juízo “foram enfáticas em afirmar que jamais lhes foi pedido que utilizassem a máquina pública, bens, serviços ou quaisquer outros favores que envolvessem a coisa pública na campanha do representado”, de acordo com o TRE.

Ele também negou qualquer ingerência no ressarcimento de valores aos vereadores. Argumentou, ainda, que os recursos apreendidos pela polícia foram livremente doados à sua campanha, não tendo qualquer vinculação com suposta prática abusiva.

Jornal Midiamax