Queixa-crime foi apresentada após depoimento ao Gaeco

Antes de proferir sentença acerca da queixa-crime ingressada pelo ex-governador do Estado, (PMDB), contra a vereadora Luíza Ribeiro (PPS), o juiz Waldir Peixoto Barbosa pediu que o MPE (Ministério Público Estadual) se manifeste.

“Inicialmente, nos termos do disposto nos artigos 45 e 46, §2º do Código de Processo Penal, abra-se vista ao Ministério Público, com posterior conclusão”, pediu o magistrado nos autos. Puccinelli entrou com representação criminal contra a vereadora devido ao depoimento que concedido por ela à força-tarefa da Operação Lama Asfáltica em outubro do ano passado. Juiz quer manifestação do MPE em ação de Puccinelli contra vereadora

Isso porque o relato cita o peemedebista e acabou ‘vazando' na internet. Ele pede condenação com base nos artigos 138 e 139 do Código Penal. Aos promotores, a legisladora acusou políticos e empresários de terem criado um suposto esquema de corrupção que teria se iniciado na primeira gestão do ex-prefeito André Puccinelli.

Sem mencionar ou revelar a existência de prova, Luíza afirma que o sistema é endêmico e alega que o ex-governador seria o mentor do suposto esquema de cassação do atual chefe do Executivo Alcides Bernal (PP). O advogado do ex-chefe do Executivo, Rene Siufi, argumenta que as afirmações da legisladora “só podem ser frutos de um arraigado espírito de vingança, eis que agora defende ferrenhamente o atual prefeito Alcides Bernal”.

Ele completa ressaltando que o ex-governador do Estado ficou como “assaltante dos cofres públicos” diante de alegações sem base. Luíza, por sua vez, sustenta as acusações que fez contra ele e garante que este tipo de “pressão ou intimidação” não surtirá efeito. Esta é a segunda vez que os dois travam batalha judicial pelo mesmo motivo.