Política

Corte mantém extradição e Pizzolato viaja amanhã para cumprir pena em Brasília

Condenado no Mensalão fugiu para a Itália em setembro de 2013

Guilherme Cavalcante Publicado em 06/10/2015, às 22h02

None
pizzolato_4.jpg

Condenado no Mensalão fugiu para a Itália em setembro de 2013

A Corte Europeia de Direitos Humanos rejeitou hoje (6) a última tentativa de recurso do ex-diretor de Marketing do Banco do Brasil Henrique Pizzolato contra sua extradição para o Brasil e ele deve deixar a Itália amanhã (7), escoltado por policiais federais, para cumprir em Brasília a pena determinada no julgamento da Ação Penal 470, o processo do mensalão.

O ex-diretor foi condenado pelo Supremo Tribunal Federal (STF) a 12 anos e sete meses de prisão por lavagem de dinheiro e peculato, mas, por ter dupla cidadania, fugiu para a Itália em setembro de 2013, antes do fim do julgamento. Ele foi preso em fevereiro do ano passado em Maranello, e cumprirá pena na Penitenciária da Papuda, no Distrito Federal.

No recurso protocolado na corte, a defesa de Pizzolato, como nas demais ações contra a extradição, voltou a alegar que os direitos humanos não são respeitados nos presídios brasileiros. O argumento foi usado pela defesa para pedir que o ex-diretor do Banco do Brasil continuasse na Itália.

A extradição foi formalmente autorizada no dia 22 de setembro pelo Conselho de Estado da Itália, após várias decisões da Justiça italiana a favor e contra a extradição. Segundo os juízes que analisaram o caso, existem no Brasil todas as condições para garantir a segurança de Pizzolato em um presídio.

Jornal Midiamax