Política

Vereador acusa ex-secretário de saúde de levar celular pela segunda vez ao deixar cargo

O ex-secretário de saúde Ivandro Fonseca se vê novamente na mesma polêmica. Após deixar o cargo, com a cassação do prefeito Alcides Bernal (PP), Ivandro continuaria usando o telefone funcional, pago com dinheiro público, segundo o vereador Paulo Siufi (PMDB). Quando assumiu a secretária em janeiro de 2012, o então secretário foi acusado do mesmo […]

Arquivo Publicado em 20/03/2014, às 20h48

None

O ex-secretário de saúde Ivandro Fonseca se vê novamente na mesma polêmica. Após deixar o cargo, com a cassação do prefeito Alcides Bernal (PP), Ivandro continuaria usando o telefone funcional, pago com dinheiro público, segundo o vereador Paulo Siufi (PMDB).

Quando assumiu a secretária em janeiro de 2012, o então secretário foi acusado do mesmo problema por usar um telefone que pertencia a Maternidade Cândido Mariano.

Na época quem fez a acusação foi o deputado estadual Marquinhos Trad (PMDB). No dia 27 de junho do ano passado, durante reunião da CPI (Comissão Parlamentar de Inquérito) da Assembleia Legislativa, Marquinhos disse sentir que o “secretário era despreparado e sem conhecimento de causa para cuidar da saúde campo-grandense”.

Ivandro reconheceu o problema e informou que pediu verbalmente o cancelamento da linha, garantindo que iria ressarcir o valor gasto pode ele com ligações particulares.

Contudo, mesmo com todo o constrangimento, nesta quinta-feira, o vereador Paulo Siufi (PMDB) criticou Ivandro por supostamente repetir a ação.

Paulo Siufi enumerou ainda outras falhas na antiga gestão. Segundo ele, havia uma ambulância parada há 45 dias no pátio da Sesau (Secretaria Municipal de Saúde) que seria destinada a Apae. E que após verificarem a falha o veiculo será entregue nesta sexta-feira (21). “è um veiculo adaptado. Isso foi um absurdo. Alem do veiculo também descobri que o Bernal segurava recursos do Ministério da saúde que deveriam ser repassados”.

Siufi disse ainda que apesar de o novo secretário, Dr. Jamal (PR) ser seu amigo, não ficará fora das lentes da fiscalização.

Jornal Midiamax