Política

Presidente municipal do PMDB em Amambai diz que racha enfraquece o partido

O presidente do diretório municipal do PMDB em Amambai, José Luiz Tobias, afirmou nesta segunda-feira (2) que deve se reunir com os correligionários para ouvir a opinião da maioria sobre os rumos da legenda nas eleições deste ano. Segundo ele, o racha pode enfraquecer o partido na corrida eleitoral. Apesar do pré-candidato do partido, Nelsinho […]

Arquivo Publicado em 02/06/2014, às 21h09

None
1857199531.jpg

O presidente do diretório municipal do PMDB em Amambai, José Luiz Tobias, afirmou nesta segunda-feira (2) que deve se reunir com os correligionários para ouvir a opinião da maioria sobre os rumos da legenda nas eleições deste ano. Segundo ele, o racha pode enfraquecer o partido na corrida eleitoral.

Apesar do pré-candidato do partido, Nelsinho Trad, ao governo do Estado, ter anunciado que vai ceder palanque para o pré-candidato Eduardo Campos (PSB) que deve concorrer à presidência, o governador André Puccinelli (PMDB) declarou que se o partido não apoiar a presidente Dilma Rousseff (PT), pré-candidata à reeleição, ele irá se licenciar para montar “palanquinho” para Dilma.

“Não nos reunimos ainda para ouvir a respeito e definir essa questão”, afirmou José Luiz, que ainda não marcou a data da reunião. Para o presidente municipal do PMDB, a divisão na legenda pode enfraquecer nestas eleições. “Vai prejudicar se não existir união, porque tudo que é dividido enfraquece”, disse.

Já o prefeito de Amambai, Sérgio de Eusébio Barbosa (PMDB), afirmou que não há consenso no partido. “Não existe consenso de uma liderança, e não há consenso no municipal. Eu vejo um distanciamento com a Dilma e um distanciamento com Eduardo Campos”, afirmou Barbosa.

Para o prefeito, a nacional deveria ter discutido mais com os diretórios menores. “Não ouviram a base, agora, vai depender mais das pessoas do que do partido”, disse Sérgio Barbosa.

Jornal Midiamax