Política

Kemp cumprimenta Bernal e considera manifestação essência da democracia

Alcides Bernal (PP) foi eleito prefeito de Campo Grande neste domingo (28), em segundo turno com 270.927 dos votos válidos, o que corresponde a 62,55%. Edson Giroto (PMDB) teve 162.212 votos, 37,45%. Com o apoio do PT e outras siglas no segundo turno (PSDB, PV e PPS, além do PMN e PTC), a vitória quebrou […]

Arquivo Publicado em 30/10/2012, às 18h57

None
1301875177.jpg

Alcides Bernal (PP) foi eleito prefeito de Campo Grande neste domingo (28), em segundo turno com 270.927 dos votos válidos, o que corresponde a 62,55%. Edson Giroto (PMDB) teve 162.212 votos, 37,45%. Com o apoio do PT e outras siglas no segundo turno (PSDB, PV e PPS, além do PMN e PTC), a vitória quebrou o ciclo de administração do PMDB iniciado em 1993.



Foi neste clima pós-segundo turno que o deputado estadual Pedro Kemp (PT) fez pronunciamento nesta terça-feira (29) sobre as eleições municipais 2012 na Capital. Ele considerou o resultado das urnas uma vitória com “votação expressiva, cheia de simbolismo em uma eleição bonita”.



Bernal, que é advogado e radialista, chegou aos 40% no primeiro turno sem ter panfletos, adesivos e placas.



“Quero parabenizar nosso prefeito pela eleição muito bonita, a manifestação popular consagrou a liderança que você (Bernal) é hoje. O povo se manifestou a despeito de todas as pressões políticas. Cada vez mais o povo está reprovando este tipo de comportamento”, disse mencionando o autoritarismo do Governo do Estado.



Denúncias de suspeitas de compra de votos vieram à tona durante as eleições. Contra a máquina do Governo e fazendo parte de uma estratégia de pulverização dos candidatos – Vander Loubet, candidato a prefeito pelo PT foi responsável pela articulação para a chegada ao segundo turno – Bernal foi consagrado prefeito com uma votação maciça. O pleito eleitoral foi um enfrentamento direto ao grupo do governador e prefeito de Campo Grande, respectivamente, André Puccinelli e Nelson Trad Filho (PMDB). A vitória de Bernal quebrou 20 anos de hegemonia da sigla à frente da Prefeitura de Campo Grande.


Jornal Midiamax