Com oito mortes somente em julho de 2020, o BPMTran (Batalhão de Polícia Militar de Trânsito) aponta que a embriaguez ao volante é a maior causa de acidentes com vítimas fatais em Campo Grande. Em comparação com 2019, o número é 75% maior, já que ano passado foram registradas duas mortes nesse período.

Conforme os dados, o mês de julho este ano está alcançando os números de 2018, quando foram registrados 1.153 acidentes, 439 com vítimas e nove óbitos. Já em 2019, houve uma redução, sendo que foram registrados 672 acidentes, 377 vítimas e apenas duas mortes.

Somente esse mês, conforme a BPMTran, foram 546 acidentes, 248 com pessoas feridas e oito vítimas fatais.

No dia 11 de julho, a estudante Bárbara Wsttany Amorim Moreira, 21 anos, morreu após um acidente de trânsito, no bairro Cabreúva, em Campo Grande. Ela ocupava o veículo conduzido pelo namorado, o também estudante Ricardo França Júnior, que estaria embriagado.

No carro foram encontradas garrafas de cerveja, sendo que a investigação comprovou que Ricardo comprou bebida alcoólica momentos antes e andava em alta velocidade pela via, sob efeito de álcool. O caso já foi concluído pela Polícia Civil, que indiciou Ricardo pelos crimes de homicídio doloso e embriaguez ao volante.

Na semana passada, o rapaz conseguiu liberdade e está proibido de dirigir.

Fiscalização

Mesmo com a pandemia, agentes de trânsito tem feito operações de blitz constantemente na Capital de Mato Grosso do Sul.

No último sábado (25) na avenida Eduardo Elias Zahran foram realizados 330 testes de alcoolemia detectando seis condutores embriagados, dentre os quais dois foram encaminhados diretamente à delegacia em flagrante, além dos dez que se recusaram a fazer o bafômetro.