O preso por sequestrar um caminhoneiro e causar pânico, no bairro Jardim Canguru, em Campo Grande, neste fim de semana, tem passagens por furto e e já tentou matar um desafeto após o sumiço de uma motocicleta. O autor teve a prisão preventiva decretada pela Justiça nesta segunda-feira (19).

Em junho de 2018, o autor invadiu a casa de um amigo que havia ‘jurado’ de morte depois do sumiço de uma motocicleta. O desentendimento começou quando o amigo emprestou a moto para o autor que sumiu com o veículo, sendo que um boletim de ocorrência foi registrado na época que acabou na prisão do autor.

Depois da sua saída da prisão, ele jurou que iria matar o amigo e invadiu a casa do morador, mas ele não estava na residência. Na casa estava a mãe da vítima que foi ameaçada e teve vários objetos roubados. 

O autor tem passagens por furto e roubo. Neste fim de semana, o autor sequestrou um caminhoneiro e causou pânico em um bairro da cidade. Em depoimento à polícia, o passageiro disse que é caminhoneiro e foi rendido pelo suspeito em um posto de combustível, na BR-163, quando parou para descansar antes de seguir viagem para Cuiabá, onde descarregaria o caminhão Scania.

O homem contou que, logo após chegar ao posto de combustível, se reuniu com outros caminhoneiros, com quem jogou baralho e bebeu por algum tempo. Pouco depois, ele retornou para o caminhão e foi rendido pelo suspeito e impedido de descer do veículo.

Segundo o caminhoneiro, o homem tomou o controle do veículo e seguiu atingindo carros, comércio e residência pelo caminho até que foi parado pela equipe da Guarda Civil Metropolitana. Ele também afirmou que os dois foram agredidos por moradores do bairro Canguru.

O homem, que dirigia o caminhão, também é suspeito de ter atropelado um motociclista antes de ser preso pela equipe da Guarda. Ele passou por teste de bafômetro que constatou 0,77 miligrama de álcool.

Após serem abordados pela equipe da Guarda, condutor e o passageiro foram encaminhados para a Depac Cepol (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário do Centro Especializado de Polícia Integrada).

Em depoimento, o suspeito não comentou o caso, mas admitiu que estava foragido e tinha passagens por roubo, porte ilegal de arma de fogo, disparo de de fogo e ameaça. A prisão preventiva do suspeito foi solicitada e ele permanece preso.