Douglas Pereira Rios está sendo julgado nesta sexta-feira (12) por matar a facadas o marido da amante, Eli Matias, de 36 anos, em outubro de 2022, no bairro Jardim Noroeste, em Campo Grande. Eli foi morto com 14 facadas.

Durante depoimento como testemunha, amigo da vítima contou que Eli era como um irmão e que já havia comentando sobre a desconfiança da esposa estar o traindo. 

“Ela fazia curso de noite e ele falava que não sabia a hora que acabava o curso. Então, ele ficava muito desconfiado dela, tipo de trair”, disse.

Segundo relato da testemunha, o relacionamento da vítima e a esposa não estava na melhor forma. Tinha algumas brigas de casal, mas eles continuavam juntos. Disse ainda que a mulher batia em Eli e que ele não revidava. 

No dia do crime, o amigo e Eli beberam durante a noite em uma conveniência e a vítima foi embora. O amigo disse que não presenciou o crime. 

Ainda segundo ele, a vítima tinha dito que, se ela realmente tivesse em outra relação, ele pegaria as coisas e iria embora. “Não ia fazer nada. Me falou até que se ela tivesse mesmo fazendo isso poderia perdoá-la”, lembrou.

Assassinato

À polícia, a mulher contou, inicialmente, que havia sido assaltada e o marido viu a situação, tentou defendê-la e acabou esfaqueado pelos assaltantes.

No local, a polícia encontrou uma pasta com documentos no nome do autor. Em diligências na casa do mesmo, foi informada de que ele estava na ala vermelha da Santa Casa.

Em conversa com os policiais, o homem contou que se relacionava com a mulher, mas que não sabia que ela era casada. Quando voltava para casa com a mulher, foi atacado por Eli, que estava armado com uma faca, mas conseguiu tomar o objeto e revidou os golpes, largando o objeto para trás e fugindo em seguida.