Com ações simultâneas em penitenciárias paraguaias, a Polícia Nacional conseguiu identificar até o momento 25 presos brasileiros ligados ao PCC (Primeiro Comando da Capital) e outros grupos criminosos. A Operação Purgátio foi desencadeada na manhã desta quinta-feira (4) em seis cidades.

Os detentos da lista inicial elaborada pela Polícia Nacional foram retirados de suas celas nas penitenciárias de Assunção, Concepción, Pedro Juan Caballero, Itapúa, Ciudad del Este e Coronel Oviedo. Segundo dados do Departamento de Investigações Criminais da Polícia, serão entregues às autoridades brasileiras.

Segundo informações apuradas até o momento, a medida está sendo tomada em outras penitenciárias do país vizinho. Na última semana do mês passado, as autoridades paraguaias receberam alertas do Serviço de Inteligência da Polícia Federal do Brasil.

Segundo a polícia paraguaia, o alerta brasileiro é motivado por forte fratura interna do PCC (Primeiro Comando da Capital), a partir de delações do líder da facção, Marcos Willians Herbas, vulgo ‘Marcola’, que poderiam levar a uma guerra entre facções dentro dos presídios.

Ainda de acordo com a Polícia Nacional, a penitenciária de Ciudad del Este, cinco presos vinculados ao PCC e outros grupos criminosos foram levados a um destacamento militar enquanto as autoridades ajustam os trâmites da expulsão.

Em Pedro Juan Caballero, na fronteira com Ponta Porã, o mesmo procedimento acontece com nove internos. A operação também deve resultar na expulsão de dois internos de Tacumbú, três de Concepción, quatro pessoas de Coronel Oviedo e dois internos do presídio de Itapúa.

Além dos 25 brasileiros faccionados que serão expulsos, outros presos foram retirados de suas celas para serem transferidos para outros estabelecimentos prisionais. Segundo informações policiais, cerca de 800 pessoas que cumprem pena no Paraguai alinharam-se ao PCC nos diferentes centros penitenciários.