Fernanda Rosa dos Santos, de 25 anos, está sendo julgada nesta sexta-feira (19) pelo assassinato de Daniela Alencar Viegas, de 29 anos, em novembro de 2018, na vila Nova Capital, em Campo Grande. Fernanda agiu na companhia das três irmãs por vingança. 

Durante o interrogatório, a ré negou ter participado do crime e disse que apenas viu uma das irmãs, adolescente, agredir e ser agredida pela vítima em um bar na Rua Crispim. 

As acusações foram divididas, já que das 4, duas eram adolescentes na época e uma das adolescentes é que desferiu as facadas que mataram Daniela, esta foi condenada pelo ato infracional análogo a homicídio a 6 anos de internação por prazo indeterminado, sendo reavaliado a cada 6 meses. 

A outra adolescente foi absolvida e a outra irmã, Viviane Rosa, foi impronunciada.

A denúncia diz que Fernanda passou a faca para a irmã adolescente que desferiu os golpes. Em juízo, ela negou. Disse que foi até o bar acompanhada da menor para comprar refrigerante quando a vítima olhou com cara de nojo e a adolescente e Daniela começaram a briga. 

“Uma mulher me tirou para fora do bar e fechou. Não me deu chance de separar a briga. Aí fui em casa chamar minhas irmãs para ajudar a separar”, alegou. 

Depois, disse que não presenciou o golpe e não viu faca com a irmã, e só ficou sabendo da morte de Daniela no dia seguinte. “Minha irmã contou depois que ela deu as facadas”, lembrou.

O promotor de justiça que atua na acusação, Douglas Oldegardo, disse que houve uma armação para acusar a menor de idade e assim livrar Fernanda do caso, porém testemunhas afirmaram terem visto Fernanda passando uma faca para a menor, no momento do crime. 

O irmão do dono do bar, Osmar Ferreira, foi testemunha no julgamento e contou que no dia, ao perceber que as quatro irmãs voltaram, ele e outro homem conseguiram impedir que duas delas entrassem. “A gente tentou impedir elas porque eram quatro né, não sabia o que ia acontecer. Nem imagina isso, porque pra mim elas eram todas crianças”, contou.

No momento em que seguraram duas, Fernanda e a outra menor conseguiram entrar no bar e ferir Daniela.

Osmar e os outros frequentadores do bar colocaram Daniela no carro e a levaram para socorro no bairro Moreninhas, mas a vítima não resistiu.

Na época, a delegada que investigou o caso disse que as irmãs e Daniele tinham uma rixa antiga, já que uma das acusadas teria tido um caso extraconjugal com o marido da irmã da vítima.