Homem que ficou preso irregularmente durante um ano e sete meses em , cidade a 253 quilômetros de Campo Grande, recebeu uma de mais de 5 mil reais. De acordo com o defensor público, Cristiano Ronchi Lobo, ele foi condenado ao cumprimento das penas privativas de em cinco anos e quatro meses de reclusão e dois anos e sete meses de reclusão, respectivamente, totalizando uma de sete anos e 11 meses.

Porém, o cálculo da total a ser cumprida estava incorreto, sendo registrado de forma errada como 10 anos e oito meses. “O relatório da situação processual executória do assistido encontrava-se completamente equivocado, tanto em razão da quantidade de pena quanto da data base para a progressão do regime de cumprimento”, detalhou o defensor.

Após a verificação dos fatos, ao requerente foi finalmente concedida a progressão do regime de pena para o semiaberto, um ano e sete meses depois da data em que efetivamente lhe era de direito. A Defensoria ingressou com uma ação de indenização, e o Estado foi condenado ao pagamento de R$ 5 mil por danos morais.