A dona de uma ONG (Organização Não Governamental) onde estavam cerca de 500 animais em situação de maus-tratos no bairro no Coronel Antonino, em Campo Grande, deverá emitir relatório mensal sobre o estado de saúde dos animais. Alguns animais estavam doentes e em local insalubre.

Após a prisão em flagrante, o Imasul (Instituto de Meio Ambiente de Mato Grosso do Sul) aplicou multa de R$ 175 mil contra a protetora. Durante audiência de custódia, no fim de semana, a mulher conseguiu a liberdade por bons antecedentes criminais e tem residência e emprego fixos. 

De início, ela tem sete dias para apresentar relatório da saúde dos 500 animais, depois o relatório deverá ser apresentado mensalmente. 

Os animais haviam ficado com o filho da autora. O CCZ (Centro de Controle de Zoonose) e policiais da Decat (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes Ambientais e de Atendimento ao Turista) voltaram à casa em que funcionava a ONG.

Animais doentes e local insalubre

Vários animais aparentam estar doentes e alguns brigavam entre si quando a polícia chegou a casa. A mulher foi questionada sobre macacos, mas não confirmou a presença dos animais silvestres, nem informou onde eles estariam. Ela disse que só se pronunciará em juízo.

Perguntada sobre as condições em que os bichos eram mantidos, a mulher disse à polícia que “fazia o bem”, e que tirou os animais das ruas e de condições degradantes, de abandono e maus-tratos, dando um local para eles. 

A protetora relatou que a limpeza é feita diariamente, mas que quando os policiais chegaram os funcionários haviam acabado de chegar ao local também, por isso a casa ainda estava suja naquela manhã.