da Silva Lima, de 38 anos, preso nesta quarta-feira (21), após matar a mulher, Joelma da Silva André, de 33 anos, manteve-se calmo durante depoimento na Deam (Delegacia Especializada de Atendimento à Mulher). À polícia, ele admitiu ter desferido nove facadas na vítima durante uma discussão. O crime aconteceu na casa dela, no Indubrasil, em . Os cinco filhos estavam no local e viram o momento em que a mãe foi assassinada. Este foi o primeiro caso de feminicídio registrado na Capital em 2024.

Conforme a delegada titular da Deam, Elaine Cristina Ishiki Benicasa, Leonardo disse que, durante a discussão, avisou a vítima que iria matá-la. “Ele falou para ela, depois foi à cozinha, pegou uma , voltou para sala e desferiu as facadas”, relata.

Crime aconteceu na casa da vítima (Foto: Alicce Rodrigues, Midiamax)

Leonardo deixou uma faca cravada no peito da vítima. Para a delegada adjunta, Analu Ferraz, a atitude demonstra crueldade e raiva. “Deixar a faca crava no peito é indício de crime de ódio”, destaca.

O crime aconteceu durante uma discussão por ciúmes. Na casa estavam os cinco filhos de Joelma, três meninas – de 2, 13 e 16 anos – e dois meninos – de 8 e 1 ano.

Leonardo já tinha passagem por violência doméstica. Em março de 2023, a vítima registrou um boletim de ocorrência contra o parceiro por lesão corporal recíproca. Na ocasião, ela fez o pedido de medida protetiva, no entanto, a queixa foi retirada dois meses depois.

“Ela registrou o boletim de ocorrência em março do ano passado, mas em maio ela retirou para que pudesse reatar o relacionamento. Ela queria voltar e ele disse que voltaria apenas se ela retirasse a queixa. Atualmente não tinha nenhum medida protetiva ativa”, explica a delegada.

Leonardo foi preso ainda na manhã de hoje, poucas horas após cometer o crime. Ele foi encontrado por uma equipe da Deam, na região do Caiobá. No momento em que foi preso, o suspeito estava em uma bicicleta e já não usava as mesmas roupas de quando cometeu o crime.

Ele foi preso em flagrante e encaminhado para a Deam, onde prestou depoimento. Leonardo permanece detido e deve passar por audiência de custódia nesta quinta-feira.

Os filhos da vítima foram entregues a avó materna e serão atendidos pelo projeto Acolhida, que presta apoio aos familiares de vítimas de crimes violentos. As também devem prestar depoimento especial, assim que possível, e receberão atendimento por meio do projeto Órfãos do Feminicídio, que oferece atendimento psicológico.

Discussão e feminicídio

Vizinhos contaram ao Jornal Midiamax que Joelma havia saído por volta das 4 horas da madrugada entrando em um carro, e foi vista pelo homem, que foi até a casa questionar os filhos da vítima sobre onde ela estava, sendo que foi respondido que não sabiam.

Joelma foi vítima de feminicídio nesta quarta-feira (Reprodução, Redes Sociais)

Ele foi embora, mas voltou quando percebeu que Joelma havia retornado para casa. Nesse momento, começaram uma discussão e ela falou para ele respeitá-la.

Uma das filhas de Joelma chegou a chamar a polícia, que foi até a casa mandando o homem ir embora. O autor foi, mas voltou novamente.

Quando voltou para o local, ele esfaqueou a vítima na sala da casa. Joelma morreu sentada no sofá com uma faca cravada no peito.

Os cinco filhos estavam na residência quando o crime aconteceu. O menino de 8 anos gritou por socorro e foi até a casa da vizinha pedir ajuda, no entanto, a mãe morreu no local.