A morte de Magno Edgar Bratz, de 39 anos executado na manhã desta segunda-feira (8), no bairro Jardim Columbia, em Campo Grande, por atiradores que estavam em um Fiat Toro, deve ser encaminhada para a DHPP (Delegacia Especializada de Repressão aos Crimes de Homicídios e de Proteção à Pessoa).

Segundo a delegada do 2º DP, que investiga crimes na região, Barbara Camargo, a vítima foi atingida por pelo menos 5 tiros de arma de fogo 9 milímetros.

Ainda segundo Bárbara o caso deve ser repassado para a DHPP, que investiga casos de homicídio na Capital. “Viemos colher algumas informações e materializar para passar para eles”, explica, informando que a suspeita é de que sejam duas pessoas em um veículo. 

Uma das linhas de investigação seria por vingança por um acidente com morte, no ano passado no Paraná. Magno foi preso em São Gabriel do Oeste.

Execução

Magno estava na Rua Catrimani, mas a caminhonete S10 deu problema e parou no meio da rua para tentar resolver, quando ligou para um amigo pedindo ajuda.

O amigo revelou que do outro lado da linha ouviu quando uma pessoa chegou perguntando onde ficava o bairro Nova Lima, e quando Magno passou a responder o autor passou a atirar contra a vítima que morreu no local. 

Policiais do Batalhão de Choque foram para o local, assim como agentes da Romu da Guarda Civil Metropolitana e a Polícia Civil. Os atiradores fugiram em seguida e, segundo moradores da região, o crime teria sido motivado por vingança. 

Acidente com morte e vingança

De acordo com informações, Magno teria dado uma carona para uma mulher cigana, e ela teria pulado do caminhão que era conduzido por ele no Paraná, morrendo. O acidente aconteceu em novembro do ano passado.

Ele chegou a ser preso pela morte e depois solto, e logo após sua soltura passou a receber ameaças de ciganos.

foi preso no dia 6 de janeiro em São Gabriel do Oeste, cidade a 137 quilômetros de Campo Grande, por omissão de socorro. A prisão é por causa da morte de Ana Frete Alves Pereira, 40, que caiu do caminhão do autor no dia seis de novembro do ano passado na cidade de Floresta (PR) e veio a óbito um dia depois.

Após a queda, o caminhoneiro fugiu do local sem prestar socorro. Ela chegou a ser levada para atendimento, porém veio a óbito no outro dia. Imagens mostram o momento em que o caminhão passa por uma rotatória, quando a porta abre. A queda da mulher não aparece nas imagens, mas ocorre logo em seguida. 

No dia do ocorrido, a vítima viajava com o marido e os filhos, de carro, pela PR-317. Porém, o veículo em que viajavam teve problema mecânico. Ana então pediu carona ao caminhoneiro até a cidade de Floresta (PR) para resolver o problema do carro na rodovia.

Porém, na entrada da cidade de Floresta (PR) houve uma queda repentina. O motorista não prestou socorro e fugiu. De acordo com o site gmcoline, o caso foi investigado pela Polícia Civil de Paiçandu (PR). A polícia apura toda a circunstância dos fatos.