O Dracco (Departamento de Repressão à Corrupção e ao ) e o Cenipa (Centro de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos) já estão no aeroporto Santa Maria, em , para a perícia no helicóptero que caiu nesta quinta-feira (18).

A delegada titular do Dracco está junto de peritos do Cenipa no aeroporto para as análises na aeronave. Um laudo deverá apontar o que ocorreu com o helicóptero. Quatro militares estavam no helicóptero que ‘capotou' após uma pane.

Um sargento que estava na aeronave reclamou de dores lombares e foi encaminhado para exames . Conforme nota oficial do Governo do Estado, o helicóptero estava com quatro servidores, sendo dois pilotos e dois tripulantes e apenas um deles teria sofrido ferimentos leves. Ainda de acordo com o Governo, o helicóptero realizava voo semanal de giro, que é realizado para preservação do equipamento, e estava há 20 minutos no ar, quando sofreu a pane.

A nota afirma, ainda, que os pilotos realizaram manobra de emergência chamada autorrotação para que o pouso ocorresse na lateral da pista.

No pouso ocorreu a pilonagem, que ocasionou o acidente, segundo a nota. Por fim, o governo afirma que a manobra reduziu consideravelmente a gravidade do acidente.

Aeronave do megatraficante Abadia

A aeronave envolvida no acidente é um helicóptero matrícula PT-HBM, modelo Bell 206, um Jet Ranger, doada em 2013 pela PF () para combater o crime. Atualmente, ela pertence à Casa Militar do Governo de Mato Grosso do Sul