O ex-militar da (Força Aérea Brasileira) Tamerson Ribeiro Lima de Souza, 32 anos, condenado a 23 anos e quatro meses pela morte da Natalin Nara Garcia, de 22 anos, em fevereiro de 2022, em , teve o julgamento anulado e irá a júri popular novamente em novembro deste ano.

Após a sentença dele ser publicada, no dia 25 de novembro de 2022, o MPMS (Ministério Público Estadual) recorreu, já que os jurados desconsideraram a qualificadora de feminicídio. Em acórdão julgado no dia 18 de agosto de 2023, a 2ª Criminal acatou o recurso do MP, anulando o julgamento e determinando que o réu seja submetido a novo julgamento.

Na época, a condenação foi por homicídio qualificado por motivo torpe e meio cruel, além de ocultação de cadáver. Ele também foi condenado a pagar indenização de R$ 15 mil para a filha.

Agora, Tamerson vai ser julgado novamente no dia 24 de novembro deste ano, por determinação do juiz Aluízio Pereira dos Santos.

Levou filha para a escola com Natalin dentro do porta-malas

Após matar Natalin com um mata-leão, o ex-militar da Aeronáutica enrolou o corpo em um lençol, colocou no porta-malas e esperou o dia clarear. Ele ainda simulou conversas no WhatsApp fingindo ser Natalin para despistar a polícia.

Tamerson relatou que quando Natalin chegou à residência do casal, ela teria passado a xingá-lo, ofendê-lo e estapeá-lo, momento em que teria tentado segurá-la aplicando um mata-leão. Natalin caiu desacordada e Tamerson teria tentado acordá-la, mas acabou percebendo que a jovem estava morta.

O militar, então, a teria enrolado em um lençol e colocado o corpo dentro do porta-malas do carro. Ele esperou o dia clarear e levou a filha de 4 anos para a escola, com o corpo escondido no carro.

Depois foi até a rodovia e pegou uma de chão, onde desceu, retirou o corpo e o arrastou até o matagal, onde o abandonou.

Feminicídio

O crime aconteceu na madrugada do dia 4 de fevereiro de 2022, na residência do casal, no Residencial Oliveira. Conforme a denúncia, Tamerson e Natalin conviviam maritalmente há quatro anos e tinham uma filha.

Naquele dia, a vítima chegou em casa de madrugada e o casal teve uma discussão, quando Tamerson estrangulou a esposa com os braços, em um golpe de ‘mata-leão’.

Tamerson esteve preso na Base Aérea de Campo Grande, quando foi detido em flagrante após o corpo de Natalin ser encontrado, mas foi transferido ao presídio após a exclusão da FAB.

Saiba Mais