Rapaz de 18 anos, atingido por um tiro no tórax dado por um agente da GCM (Guarda Civil Metropolitana) morreu nesta terça-feira (04) na Santa Casa. O caso aconteceu no dia 09 (sábado) de abril do ano passado no Rui Pimentel, região do Centro-Oeste, em .

A GCM acompanhava uma da (Agência Municipal de Habitação e Assuntos Fundiários), momento em que o jovem teria sofrido uma crise psiquiátrica, quando partiu para cima do GCM com uma faca estilo cutelo.

O rapaz ficou internado por 11 meses, na Santa Casa na UTI (Unidade de Terapia Intensiva), em respiração espontânea, agitado e parcialmente orientado. No momento em uso de dreno de tórax e estável.

Moradores do residencial Rui Pimentel, afirmam que o GCM (Guarda Civil Metropolitano) que disparou contra o jovem de 18 anos havia sido alertado sobre condição de saúde da vítima.

“Quando ele chegou perto da viatura, a gente já gritou ‘Ele é especial! Ele é especial’. Muita gente gritou para alertar”, relatou uma moradora ao Jornal Midiamax. A síndica do residencial, Laiane Xavier, também destacou que o GCM ainda estava dentro da viatura quando o disparo foi feito. “Ele abaixou o vidro e fez o disparo”, acrescentou.

O que diz a GCM

Em nota oficial, a Guarda Civil Metropolitana informou que cumpriu “com seus deveres e atribuições de agir em defesa da vida e na proteção dos cidadãos campo-grandenses, estando pronta para intervir em qualquer situação de perigo, utilizando o uso progressivo da força”. Os servidores que participaram da ocorrência serão submetifos a procedimento administrativo disciplinar, junto à Corregedoria da Secretaria Especial de Segurança e Defesa Social. Até a conclusão do processo disciplinar, os servidores prestarão serviços administrativos internos.

Além disso, informou que “uma viatura da Guarda Civil Metropolitana foi destacada para dar apoio na segurança de servidores públicos da Agência Municipal de Habitação e Assuntos Fundiários (AMHASF), que fiscalizavam o empreendimento residencial Rui Pimentel. No local havia uma concentração de vários moradores, e, em certo momento, um residente, armado com uma faca (arma branca) se aproximou da viatura aplicando golpes contra o veículo da GCM, com a guarnição em seu interior. Diante da injusta agressão, e para proteção dos servidores e da população presente, o Guarda Civil Metropolitano, para repelir a ação do agressor, efetuou um disparo de arma de fogo contra o mesmo.”

Por fim, a GCM explicou que “a investigação de eventual prática de crime, pelos agentes municipais, será apurada pela Polícia Judiciária Estadual, e contará com total apoio e colaboração desta Secretaria Especial de Segurança e Defesa Social, para elucidação dos fatos”.