Indigenistas do Cimi (Conselho Indigenista Missionário Regional ) e também da organização Aty Guasu denunciaram um suposto ataque aos moradores da comunidade Kurupi, em Naviraí, nesta quarta-feira (16).

A ofensiva contra a comunidade teria sido feita por policiais militares e também por fazendeiros da região. Segundo liderança da comunidade, um trator e veículos advindos da fazenda Tejuy, dirigiram-se até o limite do acampamento Kurupi.

“Ao que parece a intenção dos invasores era de avançar com o desmatamento que numa área que, segundo os indígenas, é de preservação permanente, e de onde a comunidade extrai remédios e materiais para seus artesanatos e rituais”, diz a nota divulgada pelo Cimi.

Ainda segundo a entidade, teriam acontecido disparos, e o início das investidas contra a comunidade puderam ser testemunhadas por uma equipe da vigilância sanitária que realizava a entrega de hipoclorito de sódio no local.

“Após estes primeiros movimentos, enquanto a noite começava a tingir o céu, cenas de guerra tomaram conta do horizonte, um helicóptero passou a sobrevoar a área indígena amedrontando as e obrigando as lideranças a escodearem-se nos esparsos espaços de mata, para garantir proteção. Disparos de armas de fogo seguiam sendo ouvidos”, diz outro trecho da nota do Cimi.

O Conselho Indigenista Missionário, Regional MS, alerta para a gravidade da situação de violações aos direitos humanos e conclama as autoridades federais para que atuem no sentido de assegurar proteção à Comunidade Kurupi.

A reportagem do Jornal Midiamax procurou contato com o Batalhão da em Naviraí, para esclarecimento sobre as denúncias, mas não obteve retorno até o momento e se coloca à disposição para explicações sobre a ocorrência.

Saiba Mais