Registro policiais por em passará a ter informações como marcadores sociais de raça, etnia, escolaridade, identidade de gênero, e capacitismo/deficiência. A solicitação para a inserção das informações foi uma solicitação da Coordenadoria Estadual da Mulher em Situação de Violência Doméstica e Familiar do TJMS (Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul) junto à Sejusp (Secretaria de Estado de Justiça e de MS).

Segundo a desembargadora, Jaceguara Dantas da Silva, a coleta desses dados é de grande importância na identificação correta da vítima, seu perfil e meio social a que está inserido, bem como auxilia na compreensão do fenômeno complexo em que se configura a violência contra a mulher.

“Estamos empenhando nossos melhores esforços para propiciar às vítimas políticas públicas de combate a todo tipo de violência, por isso, identificar dados precisos de quem sofre a violência é tão importante. Nesse sentido, o apoio recebido do secretário de Justiça e Segurança Pública é essencial, por meio de uma parceria exitosa”, disse a desembargadora. Conforme o Tribunal, com as informações detalhadas é possível elaborar políticas públicas mais eficazes e eficientes, vez que serão direcionadas aos grupos mais vulneráveis.

Saiba Mais