é abordada pelo delegado-geral da Polícia Civil de Mato Grosso do Sul, Adriano Geraldo Garcia, na noite de quarta-feira (16). Assustada, a condutora esperou uma amiga chegar para descer do carro.

‘Entre chorar a minha família ou a dela, que seja a dela’

Adriano fez a declaração em um programa de rádio

Ainda na entrevista, Adriano diz que poderia ter “quebrado o vidro do carro”, mas não o fez, e sim esperou que todos chegassem para então tirar a jovem do veículo. Assim como relatado pela jovem e por testemunhas, Adriano estava em viatura descaracterizada, mesmo alegando que tenha se identificado como policial.

Segundo ele, a viatura descaracterizada não é carro irregular ou ilegal. “Quando a gente faz as coisas certas, as coisas se esclarecem com o tempo. As perícias vão falar por si”, disse. A condutora chegou a relatar que não sabia que ele era policial ou mesmo delegado.