A PMA (Polícia Milita Ambiental) do Distrito de Águas do , em , prendeu e autuou dois paulistas por pescar em corredeira que é local proibido para a e apreende barco, motor e petrechos de pesca.

Após prender um pescador amador campo-grandense por pescar em local proibido (corredeira) ontem (11) à tarde, policiais ambientais do Grupamento do Distrito de Águas do Miranda (Bonito), que trabalham na operação Pesca Legal, mantendo vigilância dos cardumes que começam a ficar maiores em subida do rio Miranda para a reprodução, prendeu hoje (12) mais dois infratores praticando pesca predatória no mesmo local.

Os Policiais chegaram ao local denominado Corredeira Saltinho, em Bonito e surpreenderam os dois pescadores em uma embarcação, praticando a pesca predatória com carretilhas com varas no local proibido por lei. Eles iniciavam a pescaria e ainda não tinham capturado nenhum pescado. Os infratores, um advogado (47 anos) e um comerciante (52 anos), residentes em Paulinea (SP), foram autuados administrativamente e foram multados em R$ 700 cada um.

Um barco, um motor de popa com tanque e duas carretilhas com varas utilizadas na pescaria ilegal foram apreendidas. Além de administrativa, a atitude caracteriza-se crime ambiental e os turistas foram conduzidos à de Polícia Civil de Bonito e responderão pelo crime de pesca predatória, que tem pena prevista de um a três anos de detenção.

As normas proíbem a pesca a 200 metros a montante e a jusante das cachoeiras e corredeiras, pois é alta a vulnerabilidade dos cardumes nesses locais dos rios. No local em que o pescador estava, com o rio com pouca água com se encontra, é possível pegar peixe com as mãos. Exatamente porque os cardumes ficam vulneráveis nessas áreas é que existe a proibição da pesca.